CPTM VLT

VLT em elevado e túnel: Alguns detalhes sobre a Linha 14-Ônix da CPTM

O projeto da Linha 14-Ônix, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos – CPTM, prevê a ligação sobre trilhos entre Santo André, no ABC Paulista e a cidade de Guarulhos. Antes do entusiasmos dos leitores, não há previsão de implantação, e se quer de aprofundamento de estudos na atual gestão. Representantes do Estado já inúmeras vezes afirmaram que o foco é entregar as obras em andamento.

Mas até a atualidade foi desenvolvido o projeto funcional da linha, que precede o executivo e básico, e o documento mostra alguns detalhes do que poderá ser o traçado do meio de transporte, além de algumas possíveis características.

Estações e traçado

O projeto funcional elencou 28 paradas ou estações para um rota de Veículo Leve Sobre Trilhos – VLT. A possível nova linha serviria como uma ligação perimetral e atenderia regiões importantes da Zona Leste de São Paulo.

Estação ABC e paradas em Santo André

O ponto de partida é na futura estação ABC, na região da antiga Parada Pirelli, entre Celso Daniel-Santo André e Capuava. Depois a linha segue pelas estações Avenida dos Estados e Vila Curuçá, neste trecho em via elevada, e depois Cidade dos Meninos em superfície e por fim até Oratório em elevado.

Estações na Zona Leste de São Paulo

A linha 14 cruzaria o monotrilho da Linha 15-Prata em Sapopemba, por meio de um túnel que iniciaria perto dos limites entre os dois municípios até a futura estação Teotônio Vilela. A linha segue pelas paradas Artigas, Jardim Tietê e Rio das Pedras pela superfície. Um provável caminho do VLT seria pela avenida Arquiteto Vila Nova Artigas.

Foto: Felipe Claros

Depois o VLT segue pelas estações Nossa Senhora do Carmo e Parque do Carmo, em parte elevado e em parte em superfície, quando a Linha 14 chega na Avenida Jacu Pêssego, até a futura parada Santa Marcelina. E então, o VLT segue em via elevada pelas estações Fatec, Corinthians-Itaquera, quando fará conexão com as linhas 3-Vermelha e 11-Coral, por cima da estação atual.

Segue depois ate Água de Haia, quando volta para a superfície, seguindo pelas estações AE Carvalho, Jardim Guarani, Caititu e Imperador. Segue em elevado entre as estações Imperador, Vila Jacuí, Avenida São Miguel, depois desce para superfície para a futura estação União de Vila Nova, em conexão com a Linha 12-Safira da CPTM.

Estações em Guarulhos

O VLT cruza o Rio Tietê em via elevada, depois chega a superfície até a futura estação Santos Dumont já em Guarulhos. Segue em elevado pelas estações Jutino de Maio e Jati, e depois segue em túnel pelas paradas Jati e Monteiro Lobato, e depois em superfície até a estação Guarulhos-Cecap, em conexão com a Linha 13-Jade da CPTM.

Caraterísticas das estações

O projeto funcional ainda esboça alguns detalhes sobre as possíveis paradas, como portas de plataforma:

Estação subterrânea
Estação elevada

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

comentários

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • Renato, em nenhum momento existe a Avenida Jacú-Pêssego nessa linha. Depois da Av. Rio das Pedras, sentido bairro, chama-se Av. Afonso de Sampaio e Souza, onde teriam as estações Jardim Nossa Senhora do Carmo e Parque do Carmo. A continuidade da Afonso de Sampaio e Souza, chama-se Rua Harry Dannemberg (Estação Santa Marcelina), que mais a frente irá se tornar Av. Itaquera. Saindo a esquerda da Avenida Itaquera, temos a Av. Miguel Ignácio Curi (Estação Fatec) e Metrô Itaquera.

    Se não existisse essa nova estação Jardim Nossa Senhora do Carmo, faria sentido ter um túnel desde a Rio das Pedras até a Estação Parque do Carmo porque se sobe bastante para depois descer bastante.

    O Parque do Carmo está dentro de uma APA (Área de Proteção Ambiental). Túneis seriam muitíssimo bem-vindos.

    Principalmente entre a Rua Harry Dannemberg e a Avenida Itaquera, são apenas duas faixas de rolamento. Não há espaço para mais nada. Seria mais viável fazerem como na Linha 1 Azul, onde o metrô foi construído embaixo das avenidas.

    O Hospital Santa Marcelina é o maior hospital da região e é uma referência na zona leste. Importantíssimo ter um melhor acesso.

    Da mesma forma, ter uma estação em um dos maiores parques da cidade (Parque do Carmo), traria mais qualidade de vida a população.

    Fico a disposição caso queira mais detalhes da região.

Publicidade

Anúncios