CPTM

Concessão das Linhas 8 e 9 da CPTM pode sair em dezembro

Com alguns atrasos, a concessão das Linhas 8 e 9, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos – CPTM, pode sair até o mês de dezembro. A afirmação foi dada durante uma coletiva de imprensa nas obras da futura estação Morumbi, do monotrilho a Linha 17-Ouro. Veja o trecho da entrevista:

Atrasos

O prazo da licitação para concessão das duas ferrovias era para o mês de agosto. Já os contratos, a previsão era que seriam assinados no início de 2021, ainda de acordo com a declaração do titular da pasta. Valerá por 30 anos, e entre as obrigações do novo operador estão a modernização de 35 estações, e a aquisição de mais de 30 novos trens.

Foto: Divulgação GESP

Chinesa “favorita” nos trens

Mesmo antes de ser lançado o edital de concessão, a empresa chinesa Sifang é apontada pelo chamado “mercado” como a favorita para assumir os serviços de fabricação dos trens.

A informação é da Folha de São Paulo, que diz também que as empresas interessadas em participar do processo estariam considerando muito curto o prazo de 12 meses previsto para o início da entrega dos 30 novos trens.

A Sifang é uma subsidiaria da CRRC, anteriormente chamada CSR Qingdao Sifang Locomotive & Rolling Stock Co. Trata-se de uma fabricante de trens, sediada em Qingdao, na província de Shandong, na China.

No Brasil a empresa forneceu oito composições da série 2500 da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, para a Linha 13-Jade. Foi a primeira série de origem chinesa da companhia.

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

1 comentário

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • São Paulo representa 70% do transporte sobre trilhos no país e não recebe verba federal para quase nada. Quando o governo federal interfere é para atrapalhar como o caso da estação em Cumbica, impossibilitada de ficar dentro do aeroporto por causa de um “shopping”. Ainda assim, a malha metropolitana herdada de um desastre chamado CBTU acabou se tornando a melhor do país.

Publicidade

Anúncios