Aviação

Companhia aérea vai disponibilizar camas para classe econômica

Uma companhia aérea da Nova Zelândia promete levar itens de luxo conhecidos nas classes mais caras das aeronaves para um novo tipo de classe econômica. A Air New Zealand deve instalar camas na chamada “Economy Skynest”, após a obtenção de uma patente, o que significa que a empresa desenvolveu o tipo de compartimento para os viajantes que economizam na viagem.

O Diretor de Marketing da operadora, Mike Tod, compartilhou como sua empresa deseja oferecer maior conforto aos passageiros econômicos. Ele reconhece que os voos de longa distância são difíceis para esses clientes.

“Temos uma quantidade enorme de trabalho de desenvolvimento em andamento, olhando para as inovações de produtos que podemos trazer em todas as cabines da aeronave” , disse Tod em um comunicado à imprensa.

“Um ponto de dor claro para viajantes econômicos em voos de longo curso é a incapacidade de se esticar. O desenvolvimento do Economy Skynest é uma resposta direta a esse desafio”, afirmou.

Primeira rota que deve receber a funcionalidade

Uma das principais rotas a receber os novos equipamentos é entre Auckland e Nova York , que será lançado em outubro de 2020. Os passageiros que viajam entre a Nova Zelândia e os Estados Unidos enfrentam 17 horas e 40 minutos de voo. Portanto, este é o caminho perfeito para testar o Economy Skynest.

Como é a cabine?

Cada compartimento terá um comprimento de 200 cm, com a largura na área dos ombros medindo 58 cm. Por fim, a empresa planeja incluir um travesseiro de tamanho normal, lençóis e um cobertor em cada cápsula.

Além disso, haverá tampões para os ouvidos, iluminação ambiente e uma cortina de privacidade. Além disso, a empresa está analisando outros recursos, como luzes de leitura, tomadas de ventilação e tomadas USB.

Na América do Sul

A empresa área não voa direto para o Brasil, mas mantem uma rota para a Argentina, em uma frequência para Auckland, cidade localizada na Ilha Norte da Nova Zelândia.

A viagem é feita com um Boeing 777-200 e dura cerca de 13 horas. Não há previsão de que este tipo de classe econômica chegue ao atendimento que cruza o oceano pacifico sul, mas pode ser uma candidata.

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

Comente!

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade

Assuntos

Anúncios