Metrô SP

Metrô planeja a Linha 20-Rosa partindo da estação Prefeito Saladino no ABC

O relatório de Empreendimentos do Metrô de São Paulo, postado no site da companhia, datado em novembro de 2019, da conta de que a Linha 20-Rosa pode partir da estação Prefeito Saladino, em conexão com a Linha 10-Turquesa, da Companhia Paulistas de Trens Metropolitanos – CPTM. O novo eixo metroviário deve seguir em direção a Lapa, na capital paulista:

Prolongamento no traçado

Trata-se da primeira vez onde estudos da companhia apontam o ramal rosa chegando até a estação localizada na cidade de Santo André. As projeções passadas davam conta da linha 20 chegando até a região de Rudge Ramos, em São Bernardo do Campo.

Finada Linha 18 e o anúncio de estudos da Linha 20

“O ABC perdeu um monotrilho e ganhou duas linhas de Metrô”. Essas foram as palavras do secretário dos transportes metropolitanos, Alexandre Baldy, em coletiva de imprensa realizada em julho, para anunciar o fim da Linha 18-Bronze. Na ocasião, representantes do governo estadual anunciaram a autorização de estudos para a Linha 20-Rosa que atenderia o ABC, além de melhorias na Linha 10-Turquesa.

O novo eixo metroviário, no entanto, já consta em futuros projetos do Metrô há pelo menos 10 anos. A Linha 20 consiste em uma eixo ligando a Lapa até o ABC, passando por diversas estações de integração com as Linhas 4 – Amarela, 5 – Lilás, 19 – Celeste e 22 – Bordô, e 1-Azul, além de conexões com as linhas 7 – Rubi e 8 – Diamante da CPTM.

Promessa de 2011

Em 2011, o governo do estado esperava utilizar R$ 2 bilhões para investir na linha segundo recurso de Cepacs – títulos imobiliários oferecidos pela Prefeitura durante a Operação Urbana Faria Lima. Mas de lá para cá pouca coisa saiu do papel.

O vice governador Rodrigo Garcia disse no mesmo mês que a nova ligação metroviária poderá ser feita por meio de uma Parceria Público Privada – PPP.

Segundo uma apresentação da Secretária dos Transportes que o Via Trolebus teve acesso, a Linha 20 é cogitada para operação em meados de 2028. A novidade entre este documento e o anúncio dos representantes do governo estadual, é que pode haver uma substituição do início da linha, que antes era esperado da Lapa para Moema, e agora fala-se em iniciar no ABC:

Futuro traçado da linha 20-Rosa e integração com o finado monotrilho

O mesmo documento apontava contratação de estudos a partir de 2020. Já a proposta do Metrô para o orçamento plurianual de investimento entre os anos de 2020 e 2026, de R$ 32 bilhões, previa investimentos, além da Linha 20-Rosa, nas linhas 22-Bordô, linha 21 (Celso Garcia), linha 23 Limão (Arco Norte) e outra linha ainda indefinida, que ligaria São Paulo a Diadema.

Emenda

Uma emenda parlamentar tem como objetivo reservar recursos para contratar o projeto funcional da Linha 20, e de acordo com o jornal Diário do Grande ABC, a deputada estadual Carla Morando (PSDB) incluiu a proposta do novo ramal no Plano Plurianual (PPA) 2020-2022. Seriam reservador R$ 20 milhões em 2020.

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

comentários

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

    • kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, lembrei da musiquinha. A frase do Baldi foi a fala mais absurda dos últimos tempos, típico engana trouxa.

  • Por ocasião da transferência do terminal da Linha -10 na Luz para o Brás por volta de 2013, se informou que era para ser feita uma manutenção em chaveamento de linha, e que ela iria retornar, o que não aconteceu.

    Recentemente a CPTM divulgou que a alteração para uma única plataforma para embarque e desembarque como uma melhoria para os usuários, dizendo que o tempo de percurso reduziria em 6 ou 8 minutos. A explicação oficial da CPTM foi que essa diminuição do tempo de percurso ocorreu pelo fato de não necessitar fazer a manobra, só um pequeno detalhe: o tempo de manobra não pode ser incluído no tempo de percurso, uma vez que não há passageiros a bordo.

    Portanto o tempo de percurso é computado do momento em que o trem sai da estação inicial até o momento em que chega na estação final, ou seja, uma falácia, pois na prática, o tempo de percurso é o mesmo, e o resultado prático desta atitude sorrateira foi causar mais desconforto para os usuários.

    Passado menos de um mês, eis que finalmente a verdade apareceu, pois a retirada plataforma dupla foi uma manobra ardilosa e um atrativo para se incentivar a concessão da Linha 7-Rubi a estendendo até o Brás, portanto aquelas promessas e explicações dos gestores assim como aconteceu da Luz para o Brás se mostraram inverossímeis.

    Novamente o pessoal o ABC perdeu com essas artimanhas da CPTM, do Metrô (que sabe-se lá quando vai dar algum retorno no ABC depois da retirada da Linha 18 – Bronze e 14-Onix, pois sequer há esboço de contratação de estudos para elaboração do traçado, coisa que com relação as Linha 19 – Celeste e 20-Rosa já está encaminhado) e por decisões dos gestores.

    Além de não retornar a Luz, e esta prolongada postergação, ainda temos que ouvir esta frase enfadonha do secretário dos transportes metropolitanos Baldy “O ABC perdeu um monotrilho e ganhou duas linhas de Metrô”, com o aval de políticos do PSDB para anunciar o fim da Linha 18-Bronze.

    “Aquele que procura a verdade, corre o risco de encontrar” Isabel Allende

    • Não cabem 3 linhas da CPTM operando continuamente na estação da Luz. Por isso a decisão correta foi retirar a linha com menos passageiros da estação da Luz, que era a Linha 10. Ao mesmo tempo, a Linha 10 ganhou uma nova conexão com o metrô em Tamanduateí.

      Além disso, a manobra na Linha 10 no Brás gerou uma redução significativa no tempo de viagem, constatada no Centro de Controle da CPTM e pelos passageiros no dia a dia.

      Só alguém sádico e ardiloso para defender estações superlotadas e um tempo de viagem maior.

        • Luan; É perfeitamente possível a Linha 10-Turquesa retornar a Luz!

          Como ideia de planejamento e logística entendo ser correta esta transferência da Linha 20-Rosa do Rudge Ramos-SBC, para Estação Saladino-SA da CPTM que é um local muito mais apropriado para está finalidade, para não ocorrer o mesmo que ocorreu com as Linhas Lilás e Prata, e que já está sendo corrigida, mas o que mais incomoda é ter que ouvir esta frase enfadonha do secretário dos transportes metropolitanos, Alexandre Baldy “O ABC perdeu um monotrilho e ganhou duas linhas de Metrô”, para anunciar o fim da Linha 18-Bronze foi financeiro, como pode isto acontecer se o custo de uma única linha do metrô é de seis a oito vezes a de um monotrilho, quanto mais duas!?

          Por ocasião da transferência do terminal da Linha -10 na Luz para o Brás por volta de 2013 informou-se que era para ser feita uma manutenção em chaveamento de linha, e que ela iria retornar, o que não aconteceu, ainda neste mesmo ano no dia 25 de Janeiro, data do aniversário de São Paulo foi anunciado pelo Alkmin que se iria construir a estação do Bom Retiro, e que após pronta a Linha 10-Turquesa iria retornar a Luz, o que novamente não aconteceu.

          Com a construção da estação Bom Retiro, é perfeitamente possível a Linha 10 retornar a Luz, com a reversão desta mutilação das linhas 7 e 10, ou seja, exatamente como era em passado recente e que nunca deveria ter mudado, utilizando composições mais potentes, para finalizar a alegação que a potência das composições atuais da linha 10 não é possível vencer a inclinação de linha 7, ou seja, exatamente do mesmo tipo das que são utilizadas hoje da Luz até Francisco Morato, com a aquisição de algumas unidades complementares as existentes, além de se utilizar de uma linha ociosa existente entre as estações do Brás até Mauá linha esta que no passado foi utilizada como expressa com paradas na Luz, Brás, São Caetano, Sto André e Mauá.

      • “Só alguém sádico e ardiloso para defender estações superlotadas e um tempo de viagem maior.”

        Não estou concordando nem discordando de ninguém. Mas usando a sua linha de raciocínio, então você não deveria defender, tão fervorosamente (como já o fez em outras comentários), a expansão da Linha 2-Verde neste atual momento em que se encontra a rede, porque isso agora (na próxima década) só vai gerar, obviamente, estações superlotadas e tempo de viagem maior, transformando Vila Prudente e Tamanduateí em [ou algo pior que] Sé (sentido ITQ no pico da tarde) e Brás (sentido BFU no pico da manhã), respectivamente, com os trens já vindos relativamente cheios desde Penha (ou pior: desde Guarulhos/Dutra) e terminando de entupir em Vila Prudente. E o que dizer da movimentada Sacomã quando receber ainda mais passageiros (do tal BRT) e ninguém conseguir embarcar? Sem contar que tirando basicamente quem vai para o centro, praticamente todo o restante (a grande maioria) da demanda das linhas 10 e 15 (com destino à Paulista, ou outros centros comerciais/empresariais, ou zona sul, ou oeste, etc.) vão ter de obrigatoriamente depender, única e exclusivamente, da L2-Verde, ao contrário, por exemplo, da demanda de Penha e outros pontos das linhas 3, 11, 12…

        Não que eu particularmente seja contra a expansão da Linha 2, muito menos da rede como um todo, mas tudo tem de ser feito com muita responsabilidade (em todos os sentidos). E, sinceramente, convenhamos que a expansão da Linha 2-Verde só deveria ocorrer depois de 2030, ou seja, somente após termos uma rede bem consolidada, que não sobrecarregue ainda mais esta linha, tendo como opções (no mínimo) as seguintes linhas: 5-Lilás até Ipiranga pelo menos (mas, no andar atual da carruagem, eu particularmente defendo puxar mais uns 2 km, para encontrar a L2 novamente, em Orfanato, atendendo a demanda que embarcou entre Dutra e Orfanato, ajudando mais quem vai precisar: a L2); 16-Violeta ligando por completo zonas leste e oeste para desafogar linhas como a 3, a 15 e talvez até um pouco a 11 (a 16 é muito mais importante do que a expansão da L2 em si); 19-Celeste chegando pelo menos até a Av. Paulista/estação Brigadeiro (não somente até o centro/Anhangabaú); 20-Rosa pelo menos entre Santo André e a estação Faria Lima (e por que não depois de Santo André avançar, por exemplo, até Sapopemba/L15? Li esta ótima ideia no thread da L20 no SkyscraperCity)…

        Enfim, cuidado com o que você diz, porque pode ser usado contra você mesmo.

        Feliz Natal e Próspero 2020!!

        • A Linha 2 verde opera muito abaixo da sua capacidade de projeto, logo congelar a sua expansão atende aos interesses de uma minoria e prejudicaria a maioria da população. A expansão da linha 2 está contratada, adiar faria o estado perder dinheiro em multas e processos. Para alguém que diz defender a responsabilidade, você está defendendo irresponsabilidade (ao propor expansões de metrô sem pensar no que está contratado hoje). E o cenário apocalíptico que você defende aqui que pode acontecer com a linha 2 não é o proposto por todos os estudos.

          Metrô não é um ferrorama que você estica a hora que quiser.

      • Não precisava ter tirado a Linha 10 da Luz, bastava colocar o ponto final da Linha Rubi na vazia Julio Prestes e fazendo uma interligação entre esta e a Luz.

        • A Luz não comporta o público de 3 linhas da CPTM. Levar a Linha 7 para a Julio Prestes não iria mudar em nada a situação e ainda traria público da Linha para a Luz.

        • Gabriel P., suas contribuições aqui não passam disso de enfiar politicagem em tudo. Acha mesmo que está contribuindo com algo aqui? Enquanto fica aí defendendo seus políticos de estimação, eles não dão a mínima para você.

          • Não, imagina, quem contribui é você sempre falando que não dá pra fazer nada em prol da população, que a população tem mais é que se danar e se virar sem transporte público decente, que não se deve ampliar metrô nem trem em lugar nenhum, que o governo é um coitado que não pode fazer nada por ninguém. Quem defende político de estimação aqui é você se fazendo passar por isento e por pseudo-entendido de transporte público. Na verdade você só entende de neoliberalismo e de ideologias direitistas que ferram com a vida do povo.

      • Ivo,
        Os teus argumentos para defender esta mudança entre outras como benéfica é um sofisma, sem fundamento técnico algum, e só pode de ser alguém que certamente não é usuário ou estar a serviço de algum órgão oficial.

        Conforme resposta ao Luan, as Linhas 7 e 10 foi uma mutilação da CPTM, pois sempre foram uma única linha ou seja exatamente como era no passado, de Mauá até Francisco Morato, com a construção da estação Bom Retiro e revitalização da Júlio Prestes isto é plenamente possível, pois da forma como esta hoje é inviável para quem usa a Linha 10-Turquesa acessar as Linhas Azul e Amarela no Brás, é mais fácil e cômodo utilizar a Linha 2-Verde.

        Quando lhe perguntaram qual linha do Metrô / CPTM que é subutilizada e que opera muito abaixo da sua capacidade de projeto, você não respondeu, e a resposta seria a linha 13-Jade que possui capacidade para 150 mil, mas hoje transporta 16 mil passageiros diários, ainda com relação a esta linha que tem um dos terminais a 1,3km, e o ultimo a 2,5km por conta de contrato de concessão mal elaborado, uma vez que o bom senso e correto seria estender a Linha-13, coloquei que a única opção viável seria o VLT em bitola de 1,6m, com saída em topo, desta forma está descartado Monotrilho ou Pouple Mover e é perfeitamente possível se eliminar aquele transbordo ridículo e desnecessário, e esperar o fim deste contrato capenga, mas é a formula do atual política do “gestor” com as concessões e privatizações. como desta concessionária GRU Airport que já demonstra dificuldades para pagamento da outorga exigida pelo poder concedente.
        Neste caso entendo ser uma intervenção do Ministério Público pertinente, pois claramente a população foi prejudicada.

        Por ocasião de um comentário meu que os trens disponíveis da CPTM podiam ser emprestados enquanto os quarenta trens chineses da Supervia fossem reparados, eis que novamente você me retrucou dizendo que não era possível, eis que veio a informação de que a série 1700 era exatamente o modelo existente lá.

        Quando a ABIFER reivindica que seja dada preferencia para se construir os 78 trens entre o Metrô e CPTM, e usinagem de trilhos no Brasil, mesmo com um pequeno sobre preço, pois mundialmente é impraticável concorrer com os chineses que possuem mão de obra escrava (confirmada recentemente) e infantil, pois existe um motivo social que é a geração de empregos não lhe sensibilizou, que prefere ver a indústria nacional sucateada.

        Como já diria o saudoso Nelson Rodrigues creio que estejas padecendo do chamado “Complexo de vira latas”, que é o de achar que tudo que tem ou vem do exterior é melhor, como é o caso da bitola de 1,435m, em relação a de 1,6 m, com uma mínima diferença de custo, nas demais ela vence com facilidade em todos os quesitos , como estabilidade, capacidade de carga, velocidade, malha existente (6.236 km) entre outras.

        Conclusão:
        Construímos ferrovias para que se adequem aos trens aqui fabricados, e não ao contrário. Isto explica, também, a falta de padrão e uniformidade entre trens e gabaritos de plataformas na CPTM-SP e Supervia-RJ entre outras.

        As indústrias não fabricam o que especificamos. Nós, é que nos ajustamos a que elas tem a oferecer.

        “As verdadeiras convicções não se mostram, provam-se” – Lamartine

  • Se procurassem melhorar os serviços, conforto e a segurança nas já existentes como a linha vermelha ( a mais prejudicada sem portas de plataformas, onde ocorrem diversos acidentes e objetos na via, atrasos e manutenções constantes já seria um bom começo!!

  • Ivo,

    Linha 2 MUITO abaixo da sua capacidade projetada?!?! Estamos falando da mesma linha? Ou vc se refere ao contrafluxo dela (que, realmente, é bem subutilizado e assim permanecerá para sempre)?

    A linha já opera com apenas 128s de intervalo programado no pico e, mesmo assim, sempre com ALTA lotação nos picos. Isso é “MUITO ABAIXO” da capacidade? Onde?!
    A única linha de metrô que hoje ainda opera abaixo da capacidade é a 15-Prata, mas esse conforto já tem dia e hora marcados para acabar.

    Aliás, falando em L15, como já chegou em S. Mateus, a partir de janeiro/2020 ela vai colocar as linhas 2 e 3 praticamente lado a lado em (super)lotação… e aí vou querer ver vc continuar falando aos quatro ventos que a Linha 2 “bate lata”…

    Nosso metrô infelizmente só opera com trens de 6 carros (com capacidades totais aproximadas entre 1500 e 1600 passageiros em média, considerando, é claro, 6 pass/m² — consulte o SIC do Metrô para se certificar disso se ainda não o fez). Isso leva a uma capacidade máxima de carregamento (já com CBTC, ou seja, com cerca de 20% de capacidade a mais do que com ATC), NA PRÁTICA, abaixo de 60 mil pass/hora/sentido (com 100s previstos para a L2-Verde quando chegar em Penha, não dá para levar mais do que 58 mil pass/h/sentido). Se, por exemplo, o Metrô adotasse trens maiores, com 8 carros, essa capacidade também seria maior.

    Os estudos apontam praticamente 80 mil de carregamento para a Linha 2 chegando em Penha (20 mil acima da sua capacidade), ou seja, provaram que essa expansão é inviável para esta linha. Contudo, o Metrô quer agora esvaziar a Linha 3 a todo custo e, de quebra, também parte da Linha 1, mesmo que isso leve ao colapso da Linha 2 (como ressaltei, sobram 20 mil de carregamento nesta linha). Por isso o Metrô prosseguiu com esses projetos, licitações, contratos e desapropriações. A forma “mais barata” no curto/médio prazo de desafogar a Linha 3 é via Linha 2 (só que o “barato” pode sair muito caro um dia).
    Se eu pegasse o metrô na estação Penha, eu nunca iria utilizar a Linha 2 para chegar à Paulista no horário de pico. Eu iria continuar na Linha 3 e depois poderia prosseguir pela Linha 4. No final das contas, levaria praticamente o mesmo tempo (são menos estações inclusive), só que com MUITO MENOS desconforto!

    Se nunca houvesse outros interesses por trás, e tudo fosse baseado sempre só em estudos técnicos, a expansão para Sumaré e Vila Madalena não teria sido feita até hoje, já que lá sim os trens batem lata com a baixíssima demanda!

    Enfim, é claro que no estágio atual em que se encontra a expansão da L2, o mais lógico e certo (sem aqui entrar no mérito da sua capacidade de atendimento) é que em 2020 as suas obras tenham mesmo que avançar.

    Só que os estudos técnicos também indicaram que a expansão da L2 para Penha deveria ocorrer concomitantemente com uma outra linha que a cortasse em Anália Franco e seguisse até Cidade Líder.
    E para conseguir expandir até Dutra, só com a L19 ligando Guarulhos até Brigadeiro (L2) pelo menos.
    E digo mais: necessário também que a L5 chegue em Ipiranga (linhas 10 e 15) e, como citei no outro comentário, em Orfanato (trajeto mais curto para reencontrar a L2, pois são só 2 km a mais de expansão depois de Ipiranga).
    Algo disso vai ocorrer junto com a expansão da L2? Não! Então é ingenuidade ou devaneio mesmo achar que a L2 em Penha vai dar conta, a não ser que adotem, como medida PALIATIVA (ao menos até se consolidar uma rede decente), o fechamento no horário de pico da integração com a L11 em Penha (as projeções/simulações estão considerando transferência com a CPTM aberta nos picos nesta estação).

    Só acho estranho vc ser tão cauteloso com alguns pontos (por exemplo: Estação da Luz — não estou afirmando que aqui cabem mais de 2 linhas da CPTM neste momento, mas lembrando que a sua área de integração será ampliada nos próximos anos), já com outros pontos ou linhas achar que não há limites e que dá para se fazer milagres operacionais.

    O pau que bate em Chico não é o mesmo que bate em Francisco? 🤔

    2020 vai deixar a L2-Verde bem próxima da L3-Vermelha em carregamento. Vou querer ver alguém afirmar que a L2 não estará superlotada também!

    Feliz 2020 para os passageiros da Linha 2-Verde e para aqueles de todas as outras linhas também (rs)!!

Publicidade

Assuntos

Anúncios