Foto: Renato Lobo
Recordar é viver

11 acidentes de trens de passageiros ocorridos em trilhos paulistas

O transporte sobre trilhos é considerado seguro na malha ferroviária paulista. A tecnologia de controle de trens foi se aperfeiçoando, assim como os procedimentos das operadoras. Mas, a história mostra algumas catástrofes que deixaram mortos e feridos na rede sobre trilhos de São Paulo:

1 – Acidente ferroviário de Itaquera

Considerado o pior da história, o acidente ferroviário de Itaquera ocorreu no dia 17 de fevereiro de 1987, quando o transporte sobre trilhos era em parte administrado pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU).

Em torno das 15:27 horas, quando a primeira composição finalizava a manobra de desvio, os dois comboios se chocaram. O primeiro trem estava a uma velocidade de aproximadamente 40 km/h, enquanto a segunda estava a 70 km/h, causando um choque que rompeu a estrutura metálica de ambas as composições. O choque provocou 51 mortes (sendo 31 no local) e 153 feridos.

2 – Acidente ferroviário de Engenheiro Goulart

O acidente ferroviário de Engenheiro Goulart aconteceu na noite de 5 de junho de 1959, na zona leste de São Paulo, quando dois trens de passageiros colidiram frontalmente. Foram 50 vítimas fatais

3 – Acidentes ferroviários de Perus

Acidente em Perus em 1969

O bairro de Perus no extremo norte de São Paulo já foi palco de três acidentes envolvendo trens. O primeiro, em 1969, foi um choque entre dois trens ocorrido na Estrada de Ferro Santos Jundiaí nas proximidades da fábrica de cimento Perus. No choque morreram 40 passageiros e outras 300 ficaram feridas. Já o segundo foi 1987, quando dois trens da CBTU, a 2 km da estação de Perus, se chocaram, deixando 231 pessoas feridas.

Acidente em Perus nos anos 2000

Outro incidente mais conhecido foi em 2000, quando duas composições de trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos – CPTM se chocaram após uma delas perder o sistema de freios por conta de uma pane elétrica. Deixou pelo menos 12 mortos e 90 feridos.

4 – Batida de trens na Serra do Mar

Em Janeiro de 1968, sete pessoas morreram e outras 70 ficaram feridas depois da batida de um trem de carga com trem de passageiros dentro de um túnel na serra do Mar.

5 – Trem de Estudantes

Vinte e quatro mortos e 66 feridos foi o saldo após duas composições se chocarem no mesmo sentido. Uma delas havia deixado a então Estação Roosevelt. Às 7h46, 2 quilômetros depois da estação de Suzano, em direção ao distrito de Jundiapeba, uma interrupção na energia elétrica fez com que a composição parasse.

Na mesma via, também em direção a Jundiapeba, circulava outra composição movida a diesel, que após passar por Suzano, uma falha de comunicação não o reteve na plataforma. O problema de comunicação liberou em Suzano o trem a diesel que, 2 quilômetros a frente bateu no trem dos estudantes.

6 – Trem da Fepasa em Itapevi.

Em Janeiro de 86, 102 pessoas ficaram feridas após um trem da Fepasa choca-se com uma composição parada em Itapevi.

7 – Acidente entre trens da CBTU entre Luz e Barra Funda.

Locomotiva avançou o sinal vermelho e bateu em trem da CBTU, entre as estações Barra Funda e Luz. Duas pessoas morreram e 12 ficaram feridas. O acidente ocorreu em maio de 1994.

8 – Rio Grande da Serra

Em maio de 95, 83 pessoas ficaram feridas após um trem que vinha de Rio Grande da Serra ser atingido por outro.

9 – Choque entre trens da série 8000 em Barueri

De acordo com a CPTM, por volta das 8h uma maquinista passou mal, não conseguiu frear e bateu em um trem vazia que estava parada na plataforma da estação, quando realizava manobras. Sete pessoas ficaram feridas.

10 – Choque entre trens em Franco da Rocha

Em trem de carga descarrilou e bateu em uma composição de passageiros próximo à estação Franco da Rocha, da Linha 7-Rubi. A ocorrência foi por volta das 11h20, em uma quarta-feira do ano de 2013. Ao menos 16 pessoas ficaram feridas.

11 – Choque entre trens na estação Palmeiras – Barra Funda

Ao menos 14 pessoas ficaram feridas em 2011, quando que dois trens da CPTM se chocaram na Barra Funda.

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

1 comentário

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • Faltou o de Vila Clarice quando uma Alco bateu no 1745 e um outro anos atrás em Franco da Rocha quando um trem da MRS Descarrilou e atingiu o 1710, ambos os 1700 foram baixados

Publicidade

Assuntos

Anúncios

Cadastre-se em nossa newsletter!