Anac deve aprovar fim de gratuidade de bagagem em voos

A Anac deve aprovar na próxima semana novas normas para o setor aéreo brasileiro e um dos pontos mais polêmicos é o fim da gratuidade para despachar malas.

Atualmente, cada passageiro pode levar uma bagagem de 23 kg nas viagens dentro do Brasil e até dois volumes de 32 kg para voos para o exterior.

Caso a medida seja aprovada, os passageiros só terão direito a levar uma mala de mão que pese no máximo 10kg. Atualmente é permitido levar uma mala de mão de no máximo 5kg.

A nova regra será implantada por etapas:

  • Os voos domésticos continuam até outubro de 2018 com o limite de uma mala de até 23 kg.
  • Voos para América do Sul e Central terão direito a uma mala de 23 kg.
  • Demais destinos internacionais mantêm a permissão de duas malas, mas com peso máximo de 23 kg em vez dos 32 kg atuais.
  • A partir de 1º de outubro, os passageiros de todos os voos, nacionais e internacionais, terão direito a apenas uma mala de 23 kg.
  • Um ano depois, a partir de 1º de outubro de 2018, as franquias de bagagem despachada passam a ser livremente estabelecidas pelas companhias aéreas.

A resolução preve que em caso de a companhia aerea ter bagagem extraviada, ela é obrigada a pagar uma indenização imediata aos passageiros no valor de 100 DES (Direito Especial de Saque), que hoje equivale a R$ 469,77. Em voos internacionais, o ressarcimento de despesas pode ser feito em até 14 dias com um valor máximo de 1.131 DES, o equivalente a R$ 5.313.


Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

17 Comentários deste post

  1. Não sei não, cobrar bagagem seria um abuso.

    Rodrigo Santos / Responder
  2. Só foi conceder a iniciativa privada para começarem a enfiar a mão no bolso do cidadão. O empresários criam uma associação e passam a fazerem Loby no Governo Federal para conseguirem seus intentos.

    Felix / Responder
    • Cara, isso não tem nada a ver com aeroportos (se é o que vc quis dizer). Faz todo sentido o fim da bagagem obrigatória. Deixa a oferta e demanda dizerem o preço ideal. É um custo para as aéreas e agora fica liberado pra baratear passagens, sendo que é interesse das companhias capturar clientes com passagens mais em conta.

      Josh / (em resposta a Felix) Responder
  3. Vou considerar uma boa notícia se abaixarem os preços das passagens. Não é justo uma pessoa que não tem bagagem alguma pagar o mesmo valor que alguém com uma mala de 23kg.

    Anderson Silva / Responder
  4. Se ao menos barateassem as passagens teria algum sentido, mas em um país no qual a gasolina tem duas quedas de valores nas refinarias e nada dessas quedas foram passadas ao consumidor final acho difícil que nesse caso das passagens seja diferente!
    Essa semana a gasolina foi reajustada para cima nas refinarias, alguém acredita que não serão passadas integralmente a todos nós nesse caso?
    Estamos perdidos!

    Vior / Responder
  5. Mais uma medida terceiro mundista e que só favorece aos empresários….

    Renato / Responder
  6. Mais uma picaretagem como foi com a privatização das Teles.Dizem que ficou mais fácil adquirir um telefone o que e fato fivou, só que o usuário paga mensalmente mais de 40 reais de taxa obrigatória, coisa que não havia no tempo da Telesp,Telerj,Telemig etc..Desde que foi privatizada até agora, quantos telefones foram pagos pelo usuario, pagando 40 reais mensais? 12 meses 480,00 x 20 anos 9600,00 sem contar se fosse aplicados em algum fundo com juros compostos todos esses anos.

    Felix / Responder
  7. Essa cobrança estava prevista nas Licitações dos Aeroportes?

    Felix / Responder
  8. Que coisa ridícula. Agora, além de pagarmos caro nas passagens, ainda teremos que pagar pra despachar bagagens, olha que bacana.
    Ah sim, lá fora se cobra pra despachar bagagens, mas são as empresas realmente low fare, coisa que não existe no Brasil.

    Denise / Responder
  9. Ridículo isso. E o preço da passagem continua lá nas alturas. E sempre sempre tem uma desculpa para não reduzir o valor, um exemplo disso é o valor da gasolina. Houve redução mas..tem o àlcool..taxa…palhaçada.

    Nivaldo Fernandes / Responder
    • Nossa, como o brasileiro tem uma mente atrasada! rs…. O preço é alto não por ganância das companhias, mas pelos custos operacionais. Estude o balanço de uma companhia aérea (eu fiz pesquisa nesse tema, by the way), e vc verá como funciona a estrutura de custos. O problema não está nas companhias, e sim no governo, que tem uma política extremamente cara para o QAV e demais despesas aeroportuárias.

  10. na europa funciona assim. as passagens podem ficar mais baratas a partir de agora

    caique / Responder
  11. Espero que as empresas realmente diminuam os valores das passagens. Gostei do aumento para 10 kg da bagagem de mão – quem é adepto ao estilo “viagem leve” vai se dar bem.

    :)

    Alex / Responder
  12. absurdo…tudo so piora…aonde vamos parar

    fabio / Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*