Trens Regionais

Trem Intercidades São Paulo-Campinas será o mais rápido do Brasil

Nesta sexta-feira, o Via Trolebus publicou informações do Diário Oficial do Estado, no caderno do Poder Legislativo o projeto de Trem Intercidades – TIC, deve ter composições operando com velocidades acima de 100 km/h.

“É mandatório que a ligação expressa do trecho prioritário São Paulo – Campinas tenha velocidade comercial compatível para o percurso de 102 km ser percorrido em até 60 minutos”, diz trecho da publicação, o que mostra que o atendimento deve rodar com um pouco mais de 100 km/h.

De acordo com uma reportagem publicada na Folha de São Paulo, com o título “Parceria destrava projeto de trem expresso entre Campinas e São Paulo“, o trem poderá chegar a velocidade máxima de 120 km/h, o que tornará o comboio de passageiros mais rápido em operação no Brasil.

O texto menciona que o compartilhamento entre composições cargueiras e de usuários acaba danificando a via férrea da CPTM, pelo uso dos veículos de carga, o que faz com que a operadora de passageiros tenha de operar em uma velocidade muito baixa, uma média de 17 km/h. A velocidade máxima é de 90 km/h para os trens metropolitanos.

O eixo São Paulo-Campinas deverá ter vias exclusivas para o serviço de passageiros, o que deve viabilizar as velocidades maiores.

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

comentários

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • O trem mais rápido do Brasil foi uma locomotiva V8 em 1989 no trecho Santa Gertrudes – Itirapina operado pela extinta FEPASA e a velocidade máxima que alcançou foi de 168 Km/h.

  • Interessante… Por qual motivo os trens europeus de passageiros e cargas compartilham as mesmas linhas e elas não são danificadas??? Tenho quase certeza que os “engenheiros” daqui só desenvolvem engenharia política mas, tecnicamente, de ferrovias nada entendem. Lamentável…

Publicidade

Anúncios