Mobilidade Urbana

Transmissão ao vivo com Alexandre Baldy e Sérgio Avelleda

Na próxima segunda-feira, 11 de Maio de 2020, o Via Trolebus e o site Diário do Transporte realizam uma transmissão ao vivo com o Secretário de Transportes Metropolitanos de São Paulo, Alexandre Baldy e o Diretor de Mobilidade Urbana do WRI Ross Center for Sustainable Cities, Sérgio Avelleda, que foi Secretário de Mobilidade e Transportes na cidade de São Paulo, e presidente do Metrô e da CPTM.

Será discutido os desafios da mobilidade urbana frente à pandemia do novo coronavírus. Mediarão a conversa, o jornalista Adamo Bazani e Renato Lobo.

A transmissão será no canal do YouTube do Via Trolebus, com link ao vivo no site Diário do Transporte. O evento será nesta segunda, às 18h30.

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

comentários

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • Sei que o tema central é a Pandemia,mas eu gostaria de questionar a mudança de modal da Linha Bronze para BRT, gostaria que o secretário ao menos soubesse da insatisfação da população em relação a troca.

    • Não tem nada de simples em uma obra ferroviária, pois envolve movimento de solos, desapropriações, terraplenagem, sinalização, eletrificação, obras de arte, etc.

      Agora, diante de tantas obras necessárias na CPTM, acha mesmo que essa é a mais prioritária da lista? Isso explica ela não ter sido iniciada até hoje.

  • Uma das melhores formas para se minimizar a pandemia nos sistemas públicos de transporte é o de se evitar e eliminar aglomerações e superlotações, e com relação aos usuários, é o de se deslocar da sua origem e destino com um mínimo de baldeações possível.

    Desta forma no sistema urbano do sistema Metrô Ferroviário paulista o trecho entre as estações *Tamanduateí e *Lapa é o que possui a maior capacidade de se eliminar e redistribuir as múltiplas baldeações desnecessárias e desconfortáveis em estações de passagem, mas que hoje estão servindo de terminais como a Luz e Brás, do que quaisquer outras linhas, em nome da logística e do conforto dos usuários, e aumentar a verdadeira integração com o conceito de alta funcionalidade de todas as linhas do Metrô e CPTM sem uma única exceção conforme demonstrarei;
    *Tamanduateí _ Linha 2-Verde.
    *Ipiranga _ Linha 5-Lilás e Linha 15-Prata. (Projeto)
    *Brás _ Linha 3-Vermelha, Linha 11-Coral, Linha 12-Safira e Linha _13-Jade.
    *Luz _Linha 1- Azul e Linha 4-Amarela.
    *Barra Funda _ Linha 8- Diamante e Linha 11-Coral.
    *Água Branca _Linha 6-Laranja (Projeto)
    *Lapa _ Linha 8- Diamante e Linha 9-Esmeralda (Projeto)
    *Ainda neste trecho entre as propostas pontuais estão á construção das Estações do Pari, Parque da Mooca, revitalização da Júlio Prestes, Bom Retiro, e inclusive da futura grande Estação integradora Metrô CPTM da Linha 6-Laranja na Água Branca que deveria ser priorizada e antecipada sua construção, lembrando que estas construções se antecipam para um futuro Trem Intercidades.

    Por conta a forma de como está sendo planejada atualmente esta concessão para se ter o trem intercidades para Campinas é prejudicial e insensata, pois bloqueia a reunificação das atuais linhas 7-Rubi, e 10-Turquesa que deveria ser prioritária antes de se fazer esta concessão, pois comprovadamente beneficia muitos mais usuários.

    • De novo isso? Só você quer voltar para 1950 com uma linha Jundiaí-Santos sem transferências, intervalos de 30 minutos e estações velhas.

      Há quase 30 anos que as linhas foram bem separadas e a população já consolidou a mudança. Pedir para reunificar é regredir no tempo, piorar a qualidade do transporte e prejudicar quase 1 milhão de pessoas.

Publicidade

Anúncios