Tecnologia

Perigo da Wi-Fi Pública nas estações e transportes públicos

As conexões Wi-Fi públicas estão por toda parte – estações, shopping centers, cafeterias, hotéis – em qualquer lugar onde as pessoas passem algum tempo. As empresas perceberam que fornecer Wi-Fi gratuito a seus clientes é uma ótima maneira de mantê-los na loja por mais tempo, gastando dinheiro. Como um bônus adicional, essas redes Wi-Fi gratuitas podem coletar informações importantes sobre seus interesses e preferências – dados que podem ser usados ​​para criar campanhas publicitárias personalizadas para você.

Para muitos de nós, as redes Wi-Fi públicas são vitais para permanecer conectado à nossa família, amigos e colegas de trabalho. Infelizmente, essas redes também apresentam um risco de segurança significativo. Fique atento ao perigo da Wi-Fi pública e esteja protegido.

O Homem-do-Meio é o maior perigo da Wi-Fi Pública

Historicamente, o maior risco para os usuários tem sido o ataque chamado Man-In-The-Middle, ou, em bom português, “Homem do meio”. Explicando rapidamente o que significa; os hackers são capazes de capturar as informações que fluem através de uma rede Wi-Fi pública, criando uma rede falsa que tenha um nome igual ou bem parecido ao nome da rede Wi-Fi verdadeira e segura de onde o utilizador desprevenido conecta-se e deixa todas as suas informações expostas.

Isto permite que eles roubem dados confidenciais, como senhas e números de cartão de crédito, por isso que o ´Homem do Meio´ é o maior perigo da Wi-Fi pública.

A solução para o perigo é um aplicativo VPN

Nem todo mundo sabe o que é VPN. Trata-se de um aplicativo que pode ser baixado no seu celular ou pc e criptografa toda a informação que você digita. Com uma Rede Privada VIrtual (VPN) você está seguro contra hackers ao acessar uma Wi-Fi pública e perigosa.

Veja passo-a-passo como estar protegido online quando estiver na estação de metrô ou dentro do ônibus:

1- Instale o aplicativo VPN

2- Escolha um servidor de qualquer país que desejar

3- Clique conectar e você estará pronto para navegar em qualquer rede

Os cibercriminosos estão sempre procurando maneiras novas e imaginativas de tirar proveito de suas vítimas. Pesquisadores encontraram um exemplo em Buenos Aires, Argentina, onde uma rede Wi-Fi pública foi comprometida para extrair uma criptomoeda chamada Monero. Este já não é um caso de Man-In-The-Middle mas sim uma outra forma de utilizar a rede pública para proveito pessoal.

A rede em uma cafeteria Starbucks local havia sido configurada de tal maneira que um aplicativo de mineração de criptomoeda Monero era baixado em todos os computadores conectados ao Wi-Fi da loja. Uma vez instalado, o computador do usuário iniciaria uma série de operações complexas e com uso intenso de processador para “minerar” o Monero. Qualquer moeda que foi extraída com sucesso seria enviada de volta à carteira digital do hacker.

Como o aplicativo de criptomoeda foi instalado silenciosamente, poucos usuários teriam conhecimento do problema. Eventualmente, eles perceberiam que seus computadores teriam a velocidade diminuída, pois o aplicativo de mineração de criptomoeda “roubava” recursos para realizar os cálculos e a descriptografia de dados necessários.

Depois que eles foram alertados sobre o incidente, a Starbucks corrigiu o problema, impedindo futuras infecções.

Outro lembrete para usar redes Wi-Fi públicas de maneira sensata

Ninguém sabe ao certo quantos computadores foram comprometidos pelo hack da Starbucks, mas qualquer dispositivo conectado à rede estaria em risco. E como todo o processo era completamente invisível, a maioria dos usuários não imaginava que seus computadores estavam em perigo.

Este é um lembrete importante sobre o uso de redes Wi-Fi públicas de maneira segura. Você deve saber o que precisa fazer para estar protegido do perigo de uma Wi-Fi pública para além de uma VPN.

Você também pode reduzir drasticamente o risco de ser vítima de hackers em Wi-Fi públicos, instalando um software de segurança antimalware em seus dispositivos. Não tem a eficiência imediata de uma VPN mas, na falta de uma, é uma segunda solução.

Como o software antimalware pode ajudar a facilitar o gerenciamento e a manutenção do processo de segurança, você tem uma chance muito maior de combater os hackers de criptomoeda.

 

Sobre o autor do post

Renato Ribeiro

Comente!

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade

Anúncios