Mobilidade Urbana

Coronavírus: Como as operadoras de transporte estão lidando com a limpeza de trens?

A pandemia do Coronavírus avança em todo mundo, e as operadoras do trem e de Metrô vem anunciando medidas para tentar minimizar as transmissões. A recomendação dos especialistas em saúde é que população mundial, além de outras medidas, é evitar aglomerações. Por isso é tão questionado as prevenções por parte das operadoras, e o Via Trolebus mostra um breve resumo das empresa em diversas partes do mundo:

Metrô de Santiago

Na capital do Chile, a operadora do Metrô informou em suas redes sociais que vem usando um produto antiviral usado em instalações hospitalares, sendo usados em postos de corrimão, maçanetas, assentos, catracas, totens de recarga de cartões, teclado de elevador, entre outras superfícies:

Metrô e CPTM

Já o Metrô e a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos – CPTM, em respostas à usuários, disse que mantêm equipes de limpeza que realizam o trabalho diuturnamente:

Leia também:

Portugal

A operadora Carris de Portugal também informou que tomava cuidados extras com seus ônibus:

Na China

A MTR Corp de Hong Kong implantou um robô automatizado de peróxido de hidrogênio vaporizado para realizar uma limpeza profunda e descontaminação de seus trens e estações.

O operador pode configurar o robô para operar automaticamente, predefinindo a planta da área designada ou pode usar um dispositivo móvel para controlar o robô a até 20 m de distância. Demora cerca de 4 horas para limpar um trem de oito vagões no modo automático.

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

Comente!

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade

Anúncios