Foto: Renato Lobo | Via Trolebus
Monotrilho

Metrô contrata IPT para analisar monotrilho e suspeitas recaem sobre viga-trilho

O Metrô contratou o IPT – Instituto de Pesquisas Tecnológicas, que irá analisar o sistema de monotrilho. A linha 15-Prata, que liga a Vila Prudente até São Mateus completou seu 15º dia inoperante. Os trens podem voltar a circular no dia 23 de forma parcial.

A contratação foi publicada no Diário Oficial deste sábado, 14, por dispensa de licitação, e os trabalhos devem analisar as causas de ruptura de pneus de carga e runflat na frota M da Linha 15.

Foto: Renato Lobo | Via Trolebus

Suspeitas recaem sobre a viga-trilho

Até o momento, a empresa analisava toda a frota de monotrilhos, e a causa mais comentada era de que componentes do trem poderiam estar com defeito de fábrica. Mas, de acordo com uma reportagem do G1, o motivo do pneu ter se rompido teria ocorrido por deformidades nas vias. Não é possível saber se essas deformidades foram provocadas pelo uso ou má construção.

Nesta sexta, a página no Facebook Cidade São Mateus publicou imagens com possíveis averiguações da via:

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

comentários

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • Devia proibir e punir os culpados por gastarem dinheiro do povo, com tecnologias tão atrasadas e superadas. Os custos dos reparos necessários terá de abater do salários e fundo de pensão dos administradores. Assim aprendam a valorizar o dinheiro dos impostos

  • A decisão de convocar o IPT que é um organismo altamente qualificado e independente embora tardiamente para uma avaliação dos acontecidos é uma decisão sensata, pois a grandiosidade do empreendimento não se pode deixar as análises dos fatos ficarem restritas as opiniões dos fabricantes e da empresa de engenharia executora das obras sobre o risco de grande perda de segurança e confiabilidade, pois a demora da definição permite uma série de especulações sobre prováveis elementos estruturais, como, pneus, junta de dilatação, desnivelamento, abrasividade das vias, falha de execução dos próprios carros entre outros, visto que se trata de um protótipo de alta capacidade que foi utilizado de forma inédita nesta linha.

    De acordo com a nomenclatura para este tipo de modal temos;

    •”Finger Plate” -Placa metálica protetora da junta de dilatação (concreto)
    •“Track Switches” – AMV Aparelhos de Mudanças de Via
    •“Run Flat” -Anel metálico instalado nas rodas no interior dos pneus para evitar maiores danos em casos de rompimento.
    •“Pneus de carga” –Pneus maiores que está apoiado a massa da composição.(Normalmente em duas peças por roda em paralelo).
    •“Pneu de guia” –Pneus menores que promovem a estabilidade da composição. (Normalmente em uma peça em cada roda lateral para os modelos menores, ou podendo ser duas paralelas porem espaçadas, ou em duas rodas alinhadas uma em frente a outra em cada lateral na parte inferior para os modelos maiores).
    •“Jogo de pneus” – Conjunto de pneus que faz parte de um extremo das composições podendo ser quatro ou seis.

    •Os pneus dos monotrilhos assim como na aviação são insuflados com nitrogênio em vez de ar comprimido, e a pressão incorreta dos pneus, é em particular um fator que contribui para acidentes ou incidentes relacionados a pneus e falhas nas rodas. (A grande vantagem do nitrogênio em relação ao ar comprimido é que ele não se dilata, mantendo constante a pressão do pneu, independentemente da temperatura. Na prática, os pneus terão melhor desempenho e menor desgaste mesmo que se aqueçam em uso frequente ou nos dias quentes).

Publicidade

Assuntos

Anúncios