Monotrilho

Após quase sete anos, Linha 17-Ouro tem um pouco mais da metade de obras concluídas

As obras do monotrilho da Linha 17-Ouro vão completar 7 anos de duração, quando sua construção foi iniciada em abril de 2012. Passado este tempo o empreendimento completou 58% de conclusão, de acordo com o Relatório de Empreendimentos do Metrô de São Paulo, datados de Novembro de 2019.

O projeto havia sido prometido inicialmente para atender aos turistas na Copa de 2014. O monotrilho vai ligar o Aeroporto de Congonhas e a estação Morumbi, em conexão com a Linha 9-Esmeralda, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos – CPTM.

O contrato prevê ainda a finalização da instalação das vigas trilhos, por onde vão circular os trens, além de outros itens como uma ciclovia no trajeto. O contrato é de 36 meses.

Serão finalizadas as estações Congonhas, Brooklin Paulista, Jardim Aeroporto, Vereador José Diniz, Campo Belo (integração com a Linha 5-Lilás) Vila Cordeiro, Chucri Zaidan, e o Pátio Água Espraiada.

Foto: Sergio Mazzi

Interrupção nos trabalhos

As obras foram interrompidas em outubro de 2015 e, em 18 de janeiro seguinte, o contrato com o consórcio construtor foi rompido. Em 21 de junho de 2016 (segundo o Governo de São Paulo), entretanto, após aproximadamente nove meses de paralisação, as obras da linha foram retomadas, com previsão de início das operações em 2018.

No começo do ano, o estado rompeu o contrato com o consórcio monotrilho. O motivo é que os trabalhos estavam lentos, e uma das empresas que fazia parte do consórcio faliu.

Em julho de 2019, o Metrô de São Paulo contratou por meio de uma licitação a Constram Internacional Construções S.A. para finalização das obras das estações da Linha 17-Ouro. O contrato prevê ainda a finalização da instalação das vigas trilhos, por onde vão circular os trens, além de outros itens como uma ciclovia no trajeto. O contrato é de 36 meses.

Em dezembro, no entanto, o processo de licitação acabou sendo barrado pela justiça. A construtora Coesa Engenharia, que ficou em segundo lugar na concorrência, entrou com um mandado de segurança para impedir que a Constran, vencedora da licitação, assinasse contrato com o governo. A juíza Alexandra Fuchs de Araujo, da 6ª Vara de Fazenda Pública, acatou os argumentos e acabou concedendo liminar.

A Constram não teria apresentado o registro no CAU – Conselho de Arquitetura e Urbanismo, além de não ter atendido ao requisito de possuir o equivalente a 10% da proposta feita em patrimônio, que é usado como garantia para tocar as construções.

Foto: Sergio Mazzi

Sobre a Linha 17

A futura Linha Ouro será operada juntamente com a Linha 5–Lilás pela concessionária ViaMobilidade. Ligará a Estação Morumbi, da Linha 9–Esmeralda à Estação Congonhas. Essa linha terá como principal parada o aeroporto de Congonhas, passando também pela Linha 5–Lilás e pela Linha 9–Esmeralda.

  • Demanda diária prevista: 171.150 passageiros por dia (demanda prevista em 2022)
  • 180 segundos de intervalo
  • 14 trens

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

comentários

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade

Anúncios