VLT

EMTU recebe propostas para obras do segunda fase do VLT da Baixada Santista

Em abertura de propostas para implantação da segunda fase do Veículo Leve Sobre Trilhos – VLT da Baixada Santista, sete consórcios e três empresas apresentaram intenção de tocar a obra, que vai agregar 8 quilômetros do novo trecho, contemplando, inicialmente, 14 estações entre a estação Conselheiro Nébias e o bairro Valongo. São as empresas ou consórcios:

  • Consórcio Conselheiro Nébias /Valongo
  • Consórcio Construcap – Consbem (VLT Santos)
  • Consórcio EBC-COMSA
  • Consórcio Ferreira Guedes – Teixeira Duarte – SOMAFEL
  • Consórcio TTE (VLT)
  • Consórcio VLT Litoral Paulista
    Consórcio VLT Santos
  • Constran S.A. Construções e Comércio
  • Construtora Queiroz Galvão S.A.
  • S.A. de Obras y Servicios, Copasa do Brasil

O resultado final será conhecido em maio. As obras devem começar de fato no segundo semestre de 2019. O investimento previsto é na ordem de R$ 280 milhões, segundo a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos – EMTU.

O primeiro trecho do VLT, já em operação, conta com 11,5 quilômetros de extensão, ligando o Terminal Barreiros, em São Vicente, à Estação Porto, em Santos.

Terceira fase

É estimado que em somente 2022 a conclusão da terceira fase do VLT seja concluída, chegando às proximidades de Praia Grande, passando por São Vicente.  A expansão deve ter 7,5 km, cinco estações, três subestações de energia e um pátio de manobras. Não há, entretanto, previsão de início das obras.

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

comentários

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • Infelizmente ,por conta do lobby empresarial de ónibus e estradas,os políticos que se debruçam as “causa” de empresas rodoviárias ,e a suposta “falta de dinheiro”que o governo por anos vem alegando este problema,é que sabemos que tanto o VLT quanto os projetos da malha ferroviária vão ficar sendo mais uma promessa de campanha politica,infelizmente,vivemos em um pais onde o cidadão brasileiro não cobra seu governo,apenas apoia as causas politicas.

Publicidade

Assuntos

Cadastre-se em nossa newsletter!