Greve

Linhas 4-Amarela e 5-Lilás do Metrô podem entrar em greve na sexta-feira (1º), diz sindicato

A sindicato dos metroviários informou em sua rede social que as linhas 4-Amarela e 5-Lilás, podem paralisar as atividades na próxima sexta-feira, 1º de março de 2019.

No informe, a entidade diz que as concessionárias ViaQuatro e ViaMobilidade, que operam os ramais, são intransigentes em negociar o acordo coletivo com os funcionários. O sindicato diz ainda que os trabalhadores tem péssimas condições de trabalho.

A notícia soa como estranha, já que nas últimas paralisações, os trens da Linha que liga a Zona Oeste à estação da Luz, operaram normalmente. Outro fator é que as composições operam de forma automática, sem a presença do condutor.

A última vez em que houve greve do Metrô, a Linha 5-Lilás era operada pela estatal. No ano passado, a ligação metroviária foi assumida pela ViaMobilidade, que faz parte do grupo CCR, assim como a ViaQuatro.

No entanto, uma publicação de abril de 2018 da conta que o Sindicato foi vitorioso no julgamento do recurso, ocorrido em 4/4, no Tribunal Superior do Trabalho (TST) sobre a representação sindical dos funcionários da Linha 4-Amarela. Segundo a entidade, a decisão foi unânime.

Já sobre a Linha 5, o sindicato afirma que tenta negociar com ViaMobilidade que todos os trabalhadores tenham todos os direitos que os funcionários da Cia. do Metrô.

Operadoras dizem que operação ficará inalterada

Ambas as operadoras afirmaram em nota ao Via Trolebus que operação será normal, e que trabalhadores são representados pelo sindicato do Ramo de Rodovias e Estradas. Confira nota na íntegra:

“A ViaQuatro e a ViaMobilidade, concessionárias responsáveis pela operação e manutenção das linhas 4-Amarela e 5-Lilás, respectivamente, informam que suas operações para o dia 1º de março permanecem inalteradas.

As concessionárias esclarecem que já possuem Acordos Coletivos de Trabalho com o SINDECREP-SP – Sindicato dos Empregados nas Empresas Concessionárias no Ramo de Rodovias e Estradas em Geral do Estado de São Paulo assinados e vigentes para o período de 01/03/2018 até 28/02/2020.

Vale salientar que a Federação Nacional dos Empregados nas Empresas Concessionárias do Ramo de Rodovias Públicas, Estradas em Geral, da qual o SINDECREP-SP faz parte, tem dentro do seu registro sindical a atividade metroviária com abrangência nacional”.

Paralisação adiada

No começo de fevereiro em assembleia no sindicato, a categoria decidiu por adiar os planos de greve em linhas administradas pela Companhia do Metrô. A paralisação em questão abrangia as linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha e 15-Prata.

Os representantes da entidade cobram a reintegração do operador de trem Joaquim José, demitido por justa causa, depois que a companhia o responsabilizou por uma falha que paralisou as operações na linha 1 no dia 23 de janeiro.

A Secretaria dos Transportes Metropolitanos – STM, por sua vez, disse que o operador não cumpriu um procedimento orientado pelo Centro de Controle de Operações (CCO) e danificou um equipamento de via nas proximidades da estação Jabaquara.

A categoria diz também que incidente com a colisão de dois monotrilhos foi causado por falha no sistema de comunicação.

Já o Metrô disse que “a ação humana tornou o trem M22, que estava estacionado na plataforma da estação Jardim Planalto, invisível ao sistema de comunicação e sinalização (CBTC), causando a colisão com o trem M23”.

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

comentários

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade

Assuntos

Anúncios