Brasil

Ministro dos Transportes diz que diversas obras vão parar

Atualizado às 17h00

O ministro dos Transportes, Antônio Carlos Rodrigues, afirmou nesta quarta, 29, que diversas obras de sua pasta devem parar em todo o país devido falta de recursos. Segundo ele o ministério ainda não tem previsão de quanto poderá investir neste ano, o que atrapalha o desenvolvimento dos projetos de infraestrutura.

“Eu nunca esperava chegar no início de maio sem saber quais recursos teríamos”, disse o ministro.

Rodrigues deu estas declarações na audiência pública na Comissão de Infraestrutura do Senado. A pasta, assim como outras, enfrenta corte de custos devido ao ajuste fiscal implantado pela gestão Dilma Rousseff. “Vou receber várias reclamações do senhores de “parou a obra tal” e vai parar sim. Assusta receber um telefonema dizendo “ou você paga hoje ou eu paro a obra” e eu não tenho [dinheiro para pagar]”, afirmou.

“Os telefonemas que eu recebo e as visitas, nesse período de quatro meses, são só de reclamações por falta de dinheiro e de estabilidade porque não sabemos o que vamos ter pela frente”, completou.

De acordo com o ministro, o escândalo das empreiteiras na Operação Lava Jato ajudou a piorar a situação.

No fim da manhã, depois de ver a repercussão causada pela sua fala, o ministro disse que foi mal interpretado.

“Vocês estão levando para outro lado. Não vai atrasar. Eu vou adequar a um cronograma novo. Não é atrasar, é adequar”, disse.

“As obras estão todas em andamento e nós vamos ter recursos até o final de maio e vamos dar continuidade em todas as obras sim, só que eu vou ter obras prioritárias”, disse a jornalistas ao deixar a comissão.

Sobre o autor do post

Caio Lobo

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

Comente!

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade

Anúncios