Foto: Eduardo Ganança
Monotrilho

Por que o monotrilho da Linha 15-Prata balança tanto?

Batedeira ou montanha russa. Esses e outros “apelidos” são destinados o monotrilho da Linha 15-Prata por conta de seu balanço, que as vezes causa uma certa estranheza dos passageiros novos do meio de transporte que liga a Vila Prudente e São Mateus.

Há as vezes a comparação com os sistemas sobre trilhos, já que o método de operação do monotrilho é o mesmo do Metrô. Mas se trata de tecnologias diferentes.

Um passageiro questionou o presidente do Metrô, Silvani Pereira, nas redes sociais, sobre o motivo do balanço, e o diretor da estatal explicou os motivos.

O monotrilho é um sistema transporte sobre pneus, com tração elétrica, que corre “abraçado” a uma viga de concreto e possui característica de movimentação diferente dos trens convencionais, que correm em contato com trilhos de aço. Portanto, oscilações são normais neste tipo de modal e comumente encontradas em outros monotrilhos em operação em diversos países. Mas tudo é muito seguro.” – disse Silvani.

Foto: Metrô de São Paulo

Por que as estações e vias do monotrilho na Linha 15-Prata são tão altas?

As estações da Linha 15-`Prata do monotrilho estão em média a 15 metros de alturas, assim como as pilastras que sustentam a viga-trilho por onde correm os trens com sete carros. No alto das paradas assim como nas composições, os passageiros contam com uma ampla visão da região.

Acessar as plataformas, no entanto, significa subir pelo menos dois lances de escadas. E fica a pergunta: Por que as estações do monotrilho na Linha 15-Prata são tão altas?

Em uma resposta nas redes sociais de Silvani Pereira, presidente do Metrô, diz que via e estações foram construídas nessa altura por pelo menos três motivos:

Para não interferir no tráfego das vias. Na Avenida Professor Luiz Ignácio Anhaia Mello, por exemplo, há trafego de cargas superdimensionadas.

Outro ponto explicado por Sivani e a integração do projeto paisagístico que revitalizou a região. Com essa altura, segundo o presidente, foi possível colocar árvores no canteiro central e permitir a passagem da luz natural. Foi uma das preocupações dos projetistas em não ter um elevado semelhante ao minhocão.

O terceiro ponto é manter a via sem grandes rampas, já que a Avenida Sapopemba, por exemplo, está em um ponto mais alto que a Avenida Anhaia Mello.

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

Comente!

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade

Anúncios