Modelo de monotrilho fabricado pela BYD, que vai fornecer trens para a Linha 17
Monotrilho

Obras do monotrilho da Linha 17-Ouro avançam para nova fase

As obras do monotrilho Linha 17-Ouro, que foram reiniciadas em janeiro deste ano, após um longo imbróglio judicial envolvendo outras empresas participantes da licitação, devem entrar em uma próxima fase já no mês de junho de 2021, mais especificamente na implantação de sistemas.

O projeto prevê um total de quatro etapas até a conclusão, prevista para o início de 2024. O investimento total deve alcançar R$ 988 milhões de reais, que serão cobertos pelas licitantes.

Foi anunciado que o BYD Skyrail, responsável pelo fornecimento dos trens e sistemas de energia e telecomunicações, contratou a multinacional de origem alemã TUV Rheinland, para realizar o serviço de integração e certificação global dos sistemas, conforme exigência prevista em edital. Na primeira fase, que teve início em janeiro deste ano, foi apresentado o projeto de sinalização e integração das mais de 300 interfaces que contribuem para o correto funcionamento dos trens.

Foto: Renato Lobo | Via Trolebus

A TÜV Rheinland ficará encarregada de verificar o funcionamento e a segurança, após a integração dos mais de 14 sistemas, entre eles a sinalização, controle de velocidade e aceleração do trem; fornecimento de energia; telecomunicações; aparelhos de mudança de via; comunicação com operadores e centros de controle, entre outros.

A terceira fase envolve o projeto preliminar, com testes e fabricação. Por último, será feito o comissionamento, que consiste no conjunto de técnicas e procedimentos de engenharia para verificar, inspecionar e testar cada elemento físico do empreendimento.

“A auditoria dos principais sistemas na linha será realizada de acordo com o conjunto de normas Europeias EN 50126, que prevê demonstração e especificação de confiabilidade, disponibilidade, manutenção e segurança (RAMS) para aplicações ferroviárias, além dos requisitos de Nível de Integridade da Segurança (Safety Integrity Level) que, em alguns casos, são SIL 4, nível mais estrito estabelecido pelas regulamentações internacionais CENELEC EN 50126, 50128 e 50129 “, afirma Marcos Camelo, gerente regional da área de ferrovias da TÜV Rheinland.

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

Comente!

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade

Anúncios