VLT

Mato Grosso desiste de VLT e vai construir um BRT no lugar

Foram mais de R$ 1 bilhão repassados para o consórcio e 44 trens comprados. Mas o Governo do Estado do Mato Grosso desistiu de concluir o VLT que ligaria Cuiabá e Várzea Grande.

De acordo com a administração estadual, estudos técnicos sobre a implantação do meio de transporte urbano é inviável para região Metropolitana da Capital. A decisão foi anunciada pelo governador Mauro Mendes durante coletiva à imprensa na tarde desta segunda-feira, 21 de dezembro, no Palácio Paiaguás, em Cuiabá.

O governo estadual diz que os investimentos para as obras do VLT passam de 760 milhões de reais, enquanto que para o BRT são cerca de 430 milhões, já com aquisição de 54 ônibus articulados. Além disso, o valor da passagem do VLT é de 5 reais e 28 centavos e para o BRT é de 3 reais e 4 centavos.

O chefe do Executivo Estadual diz ainda que o Governo trabalha para, até o mês de maio de 2021, publicar o edital para a contração da empresa que vai construir o novo eixo de transporte, e até agosto, a assinatura de contrato e ordem de serviço para início das obras.

O governador disse também que o Estado vai pedir na Justiça devolução de 676 milhões de reais para ressarcimento dos prejuízos causados ao erário público com o VLT.

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

comentários

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • Que desperdicio de dinheiro público. Depois do que já foi feito colocar um BRT. Um VLT melhora a qualidade do entorno além de não emitir poluentes. A médio prazo vale mais a pena um VLT já que o custo de manutenção é menor. Veja na Colombia em Bogotá o Transmileno (BRT) depois de 20 anos já está saturado enquanto que em Medelin que além de metrô possui uma linha de VLT e está construindo outra tem um transporte público de melhor qualidade. E o que farão com os veículos do VLT que foram comprados? Venderão como sucata? Para mim a troca de modal de transporte é o caso do interesse particular ser favorecido prejudicando o interesse público.

    P.S Há mais de cem anos foram implantados centenas de quilômetros de linhas de bonde por várias cidades brasileiras e algumas nem eram capitais e não entendo que atualmente é tão difícil implantar algumas dezenas de quilômetros de VLT.

    • VLT não é brinquedinho. E desde sempre o projeto era pra ser BRT. Só que no avião, indo pra Brasília, o consórcio do VLT convenceu de que era melhor o VLT (Caro e de baixa demanda) do que o BRT (barato e de média demanda). Fora que o BRT permite uma capilaridade muito maior do que o VLT.

  • A pergunta fica: O que vão fazer com alguns KMs de trilhos já feitos na avenida e com uma estação já pronta no Aeroporto? E com os trens da CAF parados no páteo, fico pensando, quem vai querer comprar esses VLTs 0 Kms que nunca foram dorados e só tomaram sol e chuva?? Pq não tem nenhuma cidade do país nesse momento, que esta cogitando implantar VLT, pq seria o caso de alguma cidade ou outro estado do país comprar esses carros parados em Cuiabá e reaproveitar já os materias. Sem que tem gente comemorando a decisão do governador e tal, só quero dizer que essa ideia que o Gov Mauro Mendes é estupida e vaidade política, pq ele não sabe e nem sente na pele o que é o dia dia de um usuário de transporte pq com certeza ele é um daqueles políticos que só anda de carro particular e UBER e jamais vai usar um ônibus lotado com o povo, então pra ele tanto faz se termina o VLT ou joga tudo fora e faça o BRT. Não só Mauro Mendes que comete a estupidez, como o governador daqui de São Paulo também, conhecido como “DitaDoria” que fez mesma coisa com a Linha 18 de São Paulo, que antes previa Monotrilho e estava já tudo licitado e pronto para iniciar as obras e só por causa de uma desculpa de problemas com desapropriação, o “arrogante” do governador assim que assumiu o mandato, resolveu trocar tudo para BRT e voltando para “estaca zero”, triste… E o povo já sabia que durante o período eleitoral o Mauro Mendes já tinha essa intenção mesmo de não continuar com o VLT e não ser simpatizante ao modal e dar preferencia ao BRT ou qualquer corredor de ônibus, e preferiram votarem nele talvez só pelo “populismo” e por “imagem conhecida” e logico que infelizmente não pelas propostas. E esse relatório favorecendo o BRT, achei muito patético.

  • Já estamos entrando em 2021, é cancelada a construção do VLT de Cuiabá a se somar as inumeráveis outras abandonadas, e se seus antecessores não apresentarem um bom desempenho, é melhor que nem comece, se dependermos destes atuais governantes federais, estaduais e municipais.

    No Brasil não existe uma lei semelhante a das Responsabilidades Fiscais (conhecida popularmente como “Pedaladas fiscais”), que pune a irresponsabilidade do governante que gasta mais do que arrecada, ou que repassa para o seu sucessor as dívidas contraídas no seu período de mandato, e que burla a lei, por este motivo não acontece punição alguma para quem promete nas campanhas eleitorais e não as cumpre.

    O resultado disto são ás inumeráveis obras incompletas e um infindável festival de promessas e compromissos não cumpridos, e os responsáveis imputados.

    Talvez estes VLT’s de Cuiabá possam ser aproveitados na operante expansão da linha da baixada paulista, ou principalmente de forma aérea na Linha 18-Bronze no lugar do BRT da Metra.

Publicidade

Anúncios