CPTM

Trem intercidades até Sorocaba não estará incluso na concessão das Linhas 8 e 9 da CPTM

Durante a 26º edição da Semana de Tecnologia Metroviária, o Presidente da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos – CPTM, Pedro Moro, descartou a inclusão do Trem Intercidades entre São Paulo e Sorocaba, na concessão das linhas 8 e 9.

A concessão das duas ferrovias deve ocorrer até o final de ano, de acordo com o presidente.

A chegada de um trem de passageiros em Sorocaba foi estudada pela Companhia, segundo uma resposta na rede social da operadora. De acordo com a CPTM, foi estudado reativar o trem a cargo da operadora privada, que assumirá a operação da linha, junto com a 9-Esmeralda:

A mesma afirmação já havia sido feita pelo secretário dos transportes metropolitanos, Alexandre Baldy, em janeiro. Mas, nas minutas do edital de licitação da concessão dos serviços, não há qualquer menção do projeto de levar o serviço até a cidade.

Foto: GESP | Divulgação

Trem parou em 1999

Foi no dia 16 de janeiro de 1999 em que o último trem partiu de São Paulo rumo ao interior do estado, passando por Sorocaba

De acordo com o site Estações Ferroviárias, a Sorocabana foi fundada em 1872, e o primeiro trecho da linha foi aberto em 1875, até Sorocaba.

A linha-tronco se expandiu até 1922, quando atingiu Presidente Epitácio, nas margens do rio Paraná. Antes, porém, a EFS construiu vários ramais, e passou por trocas de donos e fusões: em 1892, foi fundida pelo Governo com a Ytuana, na época à beira da falência.

Em 1903, o Governo Federal assumiu a ferrovia, vendida para o Governo paulista em 1905. Este a arrendou em 1907 para o grupo de Percival Farquhar, desaparecendo a Ytuana de vez, com suas linhas incorporadas pela EFS. Em 1919, o Governo paulista voltou a ser o dono, por causa da situação precária do grupo detentor. Assim foi até 1971, quando a EFS foi uma das ferrovias que formaram a estatal FEPASA.

O seu trecho inicial, primeiro até Mairinque, depois somente até Amador Bueno, desde os anos 20 passaram a atender principalmente os trens de subúrbio. Com o surgimento da CPTM, em 1994, esse trecho passou a ser administrado por ela. Trens de passageiros de longo percurso trafegaram pela linha-tronco 1999, quando foram suprimidos pela concessionária Ferroban, sucessora da Fepasa. A linha está ativa até hoje, para trens de carga.

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

comentários

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • Era de se esperar pois a linha até Sorocaba terá que ser completamente reconstruída por ser obsoleta e cheia de curvas como foi apresentado no estudo feito pela CPTM em 2013 e como o custo de reconstrução é alto nenhum investidor iria se interessar mesmo se estivesse incluso na concessão das linhas 8 e 9 da CPTM, esse investido deverá ser custeado pelo próprio estado pois assim não será atrativo a iniciativa privada e pode acabar tendo o mesmo destino que teve a PPP da Linha 6 Laranja do Metrô como exemplo.

  • Isso já era óbvio, o que esperar de um partido ridículo, com um governador mais ridículo ainda…

    E essa história que a iniciativa privada não se interessaria é pura balela, a mesma lucrará milhões e milhões nas costas do estado, deveria ter sim uma contrapartida realmente significante por parte da mesma, estão jogando fora tal oportunidade,

    • Felipe, o estado já colocou como investimentos obrigatórios para a futura concessionária a compra de 55 a 60 novos trens, reforma de todas as estações não reformadas da Linha 8, construção de dois pátios, uma nova subestação para a Linha 9, etc.

      Isso dá um total de R$ 3 bilhões e permitiria transportar 1 milhão de passageiros/dia.

      Para reconstruir a linha entre São Paulo e Sorocaba, com 4 ou 5 estações, uns 20 trens e a opção de ser diesel, seria preciso investir os mesmos R$ 3 bilhões. Isso iria permitir o transporte de 50 a 70 mil passageiros por dia.

      Acha mesmo que a iniciativa privada iria investir R$ 3 bilhões para transportar 70 mil no trem SP-Sorocaba quando a mesma quantia investida permitira transportar 1 milhão nas linhas 8 e 9?

      • Depende muito do tipo de contrato…se os custos de implantação até Sorocaba fosse divido entre poder público e iniciativa privada fosse compartilhado, talvez poderia acontecer algo de concreto.

        O que não engulo é esse desgoverno que ama abaixar as calças para a iniciativa privada por uma contrapartida está muito longe de ser o ideal. Mas você j[á é figurinha carimbada tanto aqui quanto no site Metrô CPTM, conhecido por todos por ser um defensor voraz do PSDB, e isso nem é eu que eu digo, e sima a maioria esmagadora que lê seus comentários, tanto aqui quanto lá.

        • O Felipe não consegue citar uma única empresa privada interessada nesse projeto. Nem mesmo o governo está interessado nesse projeto no momento (a última vez que ele foi estudado seriamente foi em 2013).

          Se ninguém está interessado no projeto, como exigir que ele saia do papel?

          Há um abismo colossal entre o sonho dos “ferrofãs” como Felipe e a realidade socioeconômica do país. Mas ele prefere não enxergar isso, como se “não enxergar” fosse fazer o abismo desaparecer.

          • Melhor ser chamado de fa de ferrovias do que ser conhecido como O Militante Ivo.Jl Chegou visitar o Baldy na prisão?

Publicidade

Anúncios