VLT

Governador do Mato Grosso fala em desistir do VLT de Cuiabá

Mauro Mendes, Governador de Mato Grosso, afirma que tem o desejo de desistir do Veículo Leve Sobre Trilhos – VLT entre Cuiabá e Várzea Grande, de acordo com publicação da Gazeta Digital. Mauro teria ainda falado em substituir o sistema de trens por um corredor BRT (sigla em inglês Bus Rapid Transit).

As falas teriam sido em reunião com Rogério Marinho, ministro do Desenvolvimento Regional. Segundo ainda a publicação, a interlocutores o ministro Marinho admitiu que a possibilidade da substituição pelo BRT também está sendo discutida. A comissão criada para atuar em Brasília, que ficou encarregada de construir estudos de viabilidade, já apresentou resultados ao governador.

O sistema de VLT teria 22,2 km de extensão dividido em duas linhas. A primeira linha seria implantada ligando o Centro Político Administrativo (CPA), em Cuiabá ao Aeroporto Internacional de Cuiabá, em Várzea Grande, já a segunda linha ligaria a Região do Coxipó ao Centro Sul, ambas em Cuiabá. O meio de transporte teria 32 estações e tem o custo estimado em 1,4 bilhão de reais. Foram comprados 40 trens que atualmente estão sem uso na região.

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

comentários

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • Depois de milhões gastos, o melhor é acabar esta obra. O VLT também valoriza o entorno por onde passa. As pessoas com um meio de transporte de qualidade usarão menos o transporte individual o que melhora o trânsito. Infelizmente as autoridades pensam a curto prazo alegando que este meio de transporte não é viável. O VLT foi adotado em várias cidades pelo mundo, basta acessar o site Urban Rail para constatar.

    • Cuiabá não tem e nem terá demanda para VLT nos próximos 30 anos, segundo estudo da KPMG.

      Esse “projeto” foi usado por uma quadrilha para desviar recursos públicos.

      O estudo de viabilidade do VLT foi falsificado por políticos, contrariando um parecer do Ministério das Cidades que recomendava o BRT.

      Nunca existiu um projeto básico de engenharia, com todas as suas obras contratadas com base em estudos funcionais bem pobres de informações. Isso fez com que parte das obras realizadas até então tivessem erros de projeto e execução. Por exemplo, existe um viaduto do VLT com inclinação máxima acima do limite do veículo. Assim, ele não conseguiria atravessar o viaduto sem danificar seus motores e suspensão.

      Foram comprados 40 trens, quando os estudos indicam que no limite do melhor cenário (com menos de 15 mil passageiros/hora/sentido) seriam utilizados apenas 32 (contando frota operacional+reserva). Ou seja, parte da frota nunca seria utilizada.

      Segundo o estudo econômico da KPMG, em 30 anos o VLT nunca atingirá uma demanda que viabilize sua operação (mesmo subsidiada).

      O mais recente problema gerado pelo VLT em Cuiabá foi a descoberta da obra não ter estudo de impacto ambiental. Com isso, o pátio dos trens foi construído em uma área de preservação permanente, com o aterro e destruição de nascentes de córregos e supressão de vegetação nativa.
      Em Cuiabá o VLT conseguiu ser poluidor do meio ambiente.

      Por isso que essa obra não deve ser continuada.

  • Tinha que ser governador do DEM, puxadinho do PSDB, pra decidir não fazer um transporte público de qualidade pra população de Cuiabá… os empresários de ônibus agradecem! Mais dinheiro público jogado no ralo. Pior é ver um assessor ou outro da turminha da direita vindo aqui no site ficar justificando esse retrocesso com “não tem demanda”, “não precisa”, “não tem verba” ou qualquer outra desculpa esfarrapada.

    • Engraçado como o Gabriel só fala em política e partidos políticos em cada post.
      É praticamente monotemático.

      Enquanto isso, a realidade está aí. Não há demanda nem dinheiro para VLT. Com a grana que seria investida no VLT dá para fazer um BRT de primeiro mundo, terminar o hospital central de Cuiabá (em obras há 30 anos) e construir milhares de casas populares para a população carente de Cuiabá/Várzea Grande.

      Entre mobilidade, habitação e saúde melhores para a população ou um trenzinho bonitinho para o ferrofã tirar selfie, o que você escolheria?

      • Aahahahahah, jura que é o VLT que tá atrapalhando saúde e habitação em Cuiabá agora???? Como que não vai falar de política com tema mobilidade urbana, me fala, se isso justamente depende de atitude de governantes??? E os governantes desses partidos que eu citei adoram reduzir investimentos públicos sempre com as mesmas desculpas que vc fala “ah, não dá”, “ah, não tem dinheiro”, “ah, não precisa”, “ah, não tem demanda”, “ah, no Brasil ninguém sabe fazer direito” e por aí vai. Já me cansei desse script, o PSDB já tá há 30 anos com esse mesmo discurso e nunca cuida direito de nada!

Publicidade

Anúncios