Recordar é viver

Até os anos 90 era possível viajar de trem entre Peruíbe e Santos

Até o ano de 1997. era possível se deslocar no litoral sul de São Paulo, entre Santos até Peruíbe, por meio de um trem de passageiros.

De acordo com o site Estações Ferroviárias, o Ramal de Juquiá foi construído pelos ingleses da Southern São Paulo Railway, entre 1913 e 1915, partindo de Santos e atingindo Juquiá, cidade perto de Registro, que fica próximo a divisa do estado de São Paulo com o Paraná.

Em novembro de 1927, o Governo do Estado adquiriu a linha e a entregou à Sorocabana, já estatal, no mês seguinte. O trecho entre Santos e Samaritá foi incorporado à Mairinque-Santos, que estava em início de construção no trecho da serra do Mar, e o restante foi transformado no ramal de Juquiá.

Depois, novas estações foram construídas, e em 1981, o ramal foi prolongado pela Fepasa, que operava a linha desde 1971, até Cajati, para atender as fábricas de fertilizantes da região.

O transporte de passageiros entre Santos e Juquiá foi suspenso em 1977 e restaurado em 1983, parando porém definitivamente em 1997.

A linha seguiu ativa para trens de carga que passavam quase diariamente, transportando enxofre do porto para Cajati, até o início de 2003, quando barreiras caíram sobre a linha na região do Ribeira. O transporte foi suspenso e a concessionária Ferroban desativou a linha.

Foi cogitado já a operação do VLT da Baixada Santista, no traçada da ferrovia. Foi falado também da volta de um trem turístico de passageiros. Foi prometido ainda um serviço de corredor de ônibus do tipo BRT entre as duas cidades, onde hoje está a via férrea abandonada.

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

comentários

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • Ótima matéria. A ponte dos barreiros, hoje interditada devido problemas estruturais, também sustenta o leito ferroviário desativado. Salvo engano, a largura da estrutura da ponte possui espaço para incluir uma segunda linha férrea.
    Acredito que com a reforma da ponte, possa abrir caminho para ampliação do VLT alem de Barreiros sentido área continental e Praia Grande.
    Bom torço para isso acontecer dia, e triste ver este leito abandonado margeando todo o litoral sul, e saber que o crescimento dessas cidades devem se muito a está ferrovia.

  • Em meados da década de 80 até o início da década de 90 tinha um trem que saia de Mairinque com destino à Bolívia. Também, tinha um trem que ia até a Estação da Luz! Deveriam reativar tudo!

Publicidade

Assuntos

Anúncios