Foto: Diário dos Trilhos
CPTM

TCU não está convencido de que people mover entre CPTM e Aeroporto é necessário

O Tribunal de Contas da União (TCU) diz que não há demanda para a construção de um people mover entre a estação Aeroporto Guarulhos, na Linha 13-Jade da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos – CPTM, e os terminais de embarque, de acordo com a coluna Painel, da Folha de São Paulo. Segundo o órgão, o atendimento por ônibus, que já é feita no local, atende satisfatoriamente a demanda atual.

A estação da Linha 13 fica distante dos terminais de embarque, e é alvo de critica por parte da sociedade. A ferrovia, por sua vez, conta com uma baixa demanda de usuários. Foi projetada para transportar mais de 100 mil usuários por dia, mas transporta diariamente cerca de 15 mil passageiros.

Um sistema de people mover, uma espécie de monotrilho de baixa capacidade, está sendo desenvolvido pela concessionária Gru Airpot, após uma negociação com o governo federal.

Promessa

Em 2019, o governador de São Paulo, João Doria, junto com representantes do Governo Federal, prometeu que a GRU Aiport iria construir o meio de transporte. O prazo era para 2021, mas agora não existe uma data estipulada.

Vamos entregar um relatório para o governo federal com a recomendação da empresa que deve operar o sistema”, disse o presidente da concessionária que administra o aeroporto, Gustavo Figueiredo. Contudo, “não há prazo regulamentar para a finalização do processo”, afirmou o Ministério da Infraestrutura sobre o projeto, o que foi repetido pela GRU Airport.

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

comentários

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • É ridículo o TCU apresentar um pensamento tão atrasado como esse.

    Até o aeroporto do México possui um sistema que utiliza um pequeno trem aéreo para conectar seus terminais.

    Aqui desce da estação, entra no ônibus e se espera bem alguns minutos até que o ônibus lote para sair para os terminais.

    Pelo menos, passei por essa experiência numa viagem no final do ano passado.

    Com esse tipo de pensamento, fica difícil o país se projetar para um verdadeiro futuro.

  • Com capacidade de transportar mais de 120 mil usuários, a Linha 13-Jade que serve somente aos usuários das classes sociais A e B que não tem o hábito de se fazer baldeações em locais próximos dos terminais, e transporta hoje apenas cerca de 16 mil passageiros diariamente.

    O mesmo esta ocorrendo caso está concessão das linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda sejam efetivadas, com a exclusão de um serviço de trem de passageiros regional entre a capital e Sorocaba no pacote com prazo para ser executado, o operador faria a gestão do trem metropolitano e do Intercidades não tem como se separar, sob pena de se inviabilizar esta ligação até Sorocaba, e não se pode reclamar após ocorrer esta omissão burocrática ser concretizada.

    Este contrato de concessão com a GRU Airport foi mal elaborado, pois a contrapartida que a empresa deu ao estado foi praticamente nula, ai ficou-se “refém” da mesma, por omissão e falha contratual de concessão deste aeroporto do qual o locatário estava mais preocupado com o lucro da exploração comercial e com o lucro que se pode obter com o aluguel para lojas e shoppings no local, do que a mobilidade e o conforto e mobilidade dos usuários é uma questão meramente secundária.

Publicidade

Anúncios