Foto: Diário dos Trilhos
Metrô SP

Extensão da Linha 4-Amarela do Metrô até Taboão da Serra estaria sendo negociada com concessionária

A expansão da Linha 4-Amarela do Metrô rumo a Taboão da Serra, estaria sendo negociada com a concessionária ViaQuatro, segundo uma resposta nas redes sociais da Secretária dos Transportes Metropolitanos – STM:

Estudos em andamento

O governo do Estado de São Paulo estuda levar a Linha 4 Amarela de Metrô até a cidade de Taboão da Serra. A afirmação foi do secretário dos Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, durante uma reunião da Comissão de Assuntos Metropolitanos da Assembleia Legislativa de São Paulo, ocorrida no dia 16 de outubro de 2019.

“São estudos muito iniciais, mas queremos ampliar por mais duas estações até que chegue na cidade de Taboão da Serra”, disse Baldy.

Promessa que virou estudo

A promessa é antiga, e as primeiras notícias vieram a tona em 2010, quando era previsto que o ramal chegaria à cidade já em 2014. No ano passado, o então candidato, e agora governador João Doria, em visita à região, chegou a prometer a obra.

A chamada fase 3 conta com 2,7 quilômetros a partir do futuro terminal Vila Sônia. A extensão até Taboão da Serra, com uma parada intermediária, foi prometida também em anúncio do governador Geraldo Alckmin em maio de 2012, a um custo de 1,2 bilhão de reais.

Em 29 de julho de 2014, um vídeo foi publicado pela ViaQuatro com os detalhes da extensão até Taboão. O novo trecho beneficiará cerca de um milhão de pessoas, a maioria de baixa renda, dando melhor acesso a novos empregos e educação.

Hoje, entre Taboão da Serra e o centro de São Paulo, uma pessoa gasta 1h35; com a extensão da linha, esse tempo cairá para 24 minutos.

De concreto, projeto básico

Recentemente o Metrô aditivou o prazo da elaboração do projeto básico, evidenciando que a extensão ainda está nos planos da companhia.

Esta fase compreende os elementos que definem a obra. O objetivo é definir com precisão as características básicas do empreendimento e o desempenho almejado na construção para que seja possível estimar o custo e prazo de execução. É uma fase caracterizada por estudos preliminares, anteprojeto, estudos de viabilidade técnica e econômica, além da avaliação do impacto ambiental.

Na sequência será a vez do projeto executivo, onde são detalhados os elementos necessários e suficientes para a execução completa da obra.

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

comentários

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • Fico pensando nisso, trabalho no shopping Butantã e passo todo dia no Largo do Taboão aquele local é perfeito pra uma estação de metrô principalmente quem de EMTU de Cotia Itapecerica são Lourenço, Embu das artes e principalmente de Taboão da Serra, não entendo bem mas parece ser uma relativamente simples pela distância único problema que eu vejo é aquele piscinão ali no começo da Francisco Morato

  • Ola pessoal, ola sr. Renato. Bem eu moro nesta região a quase 58 anos, este projeto na minha opinião seria mais fácil sair do papel se aproveitassem a área superior do piscinão da Sharp uma imensa área com pouca serventia como foi feito o Estadio do Pacaembu ou até mesmo chegando até o terminal do Campo Limpo . A proposta feita de se levar o metro até Taboão foi feita em um momento favorável para o PSDB pois aqui a prefeito foi eleito por este partido e ano que vem ou continua ou vai entrar oposição e nesse caso esse projeto vai dormir em um arquivo qualquer por muito tempo ou os Srs. não conhecem o Doria ?. Uma ultima opinião sou totalmente favorável que o consorcio que administra a linha amarela toque este projeto e aproveitar os canteiros já instalados, isso ajudaria baratear o projeto e agilizar a obra ( Vide caso segunda pista da Imigrantes em quanto tempo saiu)
    Abraços fiquem com Deus
    Gilberto

  • E a intenção deles ainda é ter uma estação intermediária na Chácara do Jockey ou vão passar para a Guilherme? Ou ainda é muito cedo para saber de algo assim?

  • Ola pessoal, Sr. Lucas tem mais interferência na entrada do Taboão, tem o oleoduto da Petrobras, a linha de altíssima tensão, o córrego que vinha do Campo limpo foi rebaixado e no lugar onde está o Extra foi feito um grande aterro e eu não me lembro bem como era a qualidade do aterro pois muitas empresas usam toda sorte de sobras e vão jogando no local e todo esse baixadão era originalmente uma grande várzea que vai até os confins do Campo Limpo sem dizer o lado que vai em direção a Vila Iasi, e o trânsito daqui pode virar um nó maior do que já está dependendo do modo de construção dessa obra. Está terminando o ano e o Doria continua dizendo sempre a mesma coisa é só PPP, privatização, terceirização e passar para os outros fazerem e pra arrematar já tem deputado querendo criar agências reguladoras estadual, adivinhem pra que.
    Abraços
    Gilberto

  • É impressionante e ao mesmo tempo ridículo que essa notícia ainda seja divulgada.
    Desde a concepção da Linha 4-Amarela, nos moldes atuais, e seu início de construção em meados de 2004, ou seja, uns 15 anos pelo menos, que a linha é prevista para ter ponto final em Taboão da Serra, isso significa que o projeto final já deveria estar pronto, ou melhor, a estação já deveria estar em operação e não em estágio de “projeto básico” e “negociação com a operadora”.
    Esta situação é puro estelionato eleitoral porque entra governo e sai governo (PSDB) utilizam deste subterfúgio para amealhar votos nessa região da cidade. Nas eleições, ao invés de “santinhos de campanha” deveriam distribuir narizes de palhaço aos eleitores, muito mais coerente.

Publicidade

Anúncios