Foto: Renato Lobo
Greve

Greve de ônibus em São Paulo: Algumas linhas da Sambaíba paradas

Cerca de 19 linhas operadas pela empresa Sambaíba não estavam circulando na manhã desta sexta-feira, 6 de setembro, na cidade de São Paulo, segundo uma informação do telejornal Bom dia São Paulo, da TV Globo. A empresa opera sobretudo nas regiões norte e central da cidade.

Durante a manhã desta sexta, a operação era parcial nas linhas da cidade. Um pouco depois das 6 horas da manhã, vias do centro começaram a ser fechadas com veículos do transporte coletivo, indicando início do protesto por parte de motoristas e cobradores. Os terminais da cidade operavam parcialmente.

Segue a relação de linhas prejudicadas:

148P/10 Pedra Branca – Metrô Barra Funda
1741/10 Vl. Dionisia – Metrô Santana
1742/10 Jd. Antártica – Metrô Santana
1743/10 Jd. Pery Alto – Shop. D
1758/10 Jd. Antártica – Metrô Santana
1759/10 Jd. Pery – Metrô Santana
148L/10 Cohab Antártica – Lapa
211L/10 Mandaqui – Lapa
1760/10 Cohab Antártica – Shop. Center Norte
297A/10 Jd. Primavera – Metrô Barra Funda
9166/10 Jd. Sta. Cruz – Term. Cachoeirinha
967A/10 Imirim – Pinheiros
971A/10 Jd. Primavera – Shop. D
9701/10 Hosp. Cachoeirinha – Metrô Santana
971D/10 Jd. Damasceno – Shop. Center Norte
971M/10 Vl. Penteado – Metrô Santana
971T/10 Vl. Sta. Maria – Metrô Santana
971V/10 Jd. Vista Alegre – Shop. Center Norte

Frota mínima

A prefeitura de São Paulo conseguiu uma decisão na justiça o que obriga a operação de uma frota mínima. Confira a nota:

“A SPTrans informa que para garantir o deslocamento da população nesta sexta-feira, 06 de setembro, data em que o sindicato da categoria manifestou intenção de paralisar a operação do serviço de transporte público, conseguiu decisão favorável à circulação da frota junto à Justiça do Trabalho.

Considerando que se trata de atividade essencial houve a determinação para que se mantenha o funcionamento de, no mínimo, 70% da circulação da frota nos horários de pico (06h às 09h e 16h às 19) e de 50% nos demais horários, sob pena de multa de R$ 100 mil por dia, no caso de descumprimento.”

Os trabalhadores reivindicam pagamento da PLR, e dizem que o corte de linhas e retirada de veículos pode demitir cerca de 6 mil trabalhadores.

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

Comente!

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade

Assuntos

Anúncios