Monotrilho

Sindicato diz que concessão do monotrilho é direcionada à CCR

Com leilão marcado para o próximo dia 11 de março da concessão do monotrilho da Linha 15-Prata [Vila Prudente-Vila União], o Sindicato dos Metroviários, em coletiva de imprensa, diz que a concorrência seria de “cartas marcadas” para que o Grupo CCR leve a disputa.

O grupo, além de gerir rodovias, já atua na operação e administração das Linhas 4-Amarela [Luz – São Paulo Morumbi] e 5-Lilás [Capão Redondo – Chácara Klabin] do Metrô de São Paulo, e futuramente deve operar o monotrilho da Linha 17-Ouro [Aeroporto de Congonhas – Morumbi].

A CCR também participou de um chamamento público de aprofundamento de estudos para a Parceria Público-Privada – PPP das Linhas 8–Diamante [Júlio Prestes – Itapevi – Amador Bueno] e 9–Esmeralda [Osasco-Grajaú], da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos – CPTM. O atual governo trabalha para concluir a concessão das duas ferrovias.

Ação para barrar a concessão

A entidade quer impedir a licitação do meio de transporte, que será concedido à iniciativa privada por 20 anos, e move uma ação na justiça para barrar o processo. Os representantes dos trabalhadores afirmam ainda que o edital traz vantagens as empresas e prejuízos aos cofres públicos.

Já a Secretaria de Transportes Metropolitanos informou em nota ao site Diário do Transporte, que o processo de concessão da linha 15-Prata está sendo realizado “de forma absolutamente lícita, seguindo todos os preceitos legais para realização de licitação pública”.

Confira a nota na íntegra:

“A Secretaria de Transportes Metropolitanos (STM) ressalta que o processo de concessão da linha 15-Prata do Metrô de São Paulo está sendo realizado de forma absolutamente lícita, seguindo todos os preceitos legais para realização de licitação pública. É importante esclarecer que a disputa na modalidade internacional visa justamente ampliar a concorrência e que o ativo investido na construção da linha e na aquisição de trens não está incluso na concessão. Não se trata de privatização. Portanto, as alegações do Sindicato dos Metroviários são totalmente descabidas.”

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

Comente!

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade

Assuntos

Cadastre-se em nossa newsletter!