Foto: Renato Lobo
Metrô SP

Prometido desde 2010, Metrô em Taboão da Serra segue em projeto

Durante a cerimônia de entrega da estação São Paulo-Morumbi, da Linha 4-Amarela do Metrô, operado pela ViaQuatro, uma parlamentar em seu discurso disse que iria brigar para levar o meio de transporte até Taboão da Serra.

A promessa é antiga, e as primeiras notícias vieram a tona em 2010, quando era previsto que o ramal chegaria à cidade já em 2014. No ano passado, o então candidato, e agora governador João Doria, em visita à região, chegou a prometer a obra.

A chamada fase 3 conta com 2,7 quilômetros a partir do futuro terminal Vila Sônia. A extensão até Taboão da Serra, com uma parada intermediária, foi prometida também em anúncio do governador Geraldo Alckmin em maio de 2012, a um custo de 1,2 bilhão de reais.

Em 29 de julho de 2014, um vídeo foi publicado pela ViaQuatro com os detalhes da extensão até Taboão. O novo trecho beneficiará cerca de um milhão de pessoas, a maioria de baixa renda, dando melhor acesso a novos empregos e educação.

Hoje, entre Taboão da Serra e o centro de São Paulo, uma pessoa gasta 1h35; com a extensão da linha, esse tempo cairá para 24 minutos.

De concreto, projeto básico

Recentemente o Metrô aditivou o prazo da elaboração do projeto básico para julho de 2019, evidenciando que a extensão ainda está nos planos da companhia.

Esta fase compreende os elementos que definem a obra. O objetivo é definir com precisão as características básicas do empreendimento e o desempenho almejado na construção para que seja possível estimar o custo e prazo de execução. É uma fase caracterizada por estudos preliminares, anteprojeto, estudos de viabilidade técnica e econômica, além da avaliação do impacto ambiental.

Na sequência será a vez do projeto executivo, onde são detalhados os elementos necessários e suficientes para a execução completa da obra.

Mas a decisão final mesmo, caberá ao governador. Enquanto isso, quando Vila Sônia for entregue, a ViaQuatro disponibilizará ônibus ligando Taboão ao ponto final da Linha 4.

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

comentários

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • Poucos se lembram, mas além desta extensão havia um estudo de levar a Linha Amarela até o Pari, com intuito de desafogar um pouco a Luz.
    Porém nunca mais citaram isso, engavetaram de vez.

    • Sim me lembro desde a construção que havia esse projeto no começo para Taboao da Serra era de V.L.T. e metro até
      Pari ai ja mudaram o projeto.

  • Não é uma boa notícia. Com a incorporação de Taboão da Serra à malha metroviária a metrópole ganhará mais tônus para inchamento da mancha urbana. O restante de matas na zona oeste deverá ser derrubado para dar lugar à ocupações irregulares e favelas. Nesse momento surgirá alguém pleiteando a extensão do metrô até Cotia, recomecando o processo de destruição das matas. Somente quando a população da metrópole estiver batendo na casa dos 25 milhões de habitantes e a água acabar alguém se lembrará das palavras premonitórias de Figueiredo Ferraz lá nos anos 60: “São Paulo precisa parar”

Publicidade

Assuntos

Anúncios

Cadastre-se em nossa newsletter!