CPTM

[Vídeo] Três linhas da CPTM podem ser concedidas à iniciativa privada

Três linhas da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos – CPTM estão na mira do governo estadual para serem concedidas a iniciativa privada.

Confira nosso 37º vídeo no canal do Via Trolebus no YouTube:

Durante um encontro com jornalistas ocorrido nesta semana, o secretário dos transportes metropolitanos, Alexandre Baldy, disse que o Estado deve continuar com a concessão das linhas 8 e 9 da CPTM além do monotrilho da linha 15 do Metrô, conforme o programado pelo governo antecessor.

Um edital de licitação para uma Parceria Publico-Privada já estava em fase de finalização por parte da CPTM no ano passado, mas a concorrência não foi lançada. As duas linhas somam 74 km de extensão, e transportam juntas mais de 1 milhão de passageiros diariamente.

Em 2015, houve um MIP – que é uma Manifestação de Interesse Privado. Já em 2017, empresas foram aprovadas em um chamamento publico para apresentar estudos da concessão: Um consórcio que continha a fabricante Caf, o Grupo Metropolitano 89, e a CCR, que já participa da operação das Linhas 4-Amarela e 5-Lilás do Metrô.

Outra ferrovia que está na mira das concessões é a Linha 7-Rubi. Da mesma forma que as concessões eram estudas pela antiga gestão, a inclusão da Linha 7 na PPP do trem intercidades foi analisada, e está sendo levada em conta pela atual administração.

CPTM não gera lucro

A CPTM, no entanto, é uma empresa deficitária, ou seja, o que se arrecada não cobre os custos de manutenção. Então o governo estadual injeta recursos para mante-la. Isso se da pela empresa cobrir longas distâncias, afinal são mais de 260 km de trilhos, com a mesma tarifa.

Existe ai uma questão social, já que as pessoas com menor poder aquisitivo moram em regiões mais afastadas no centro, e geralmente trabalham nas zonas centrais. Então não seria justo socialmente cobrar destes usuários a tarifa por km rodado.

Mas este déficit não se aplica igualmente a todas as linhas da CPTM. A 9-esmeralda, por exemplo, possui a operação parecida com o do Metrô, com estações próximas uma das outras, e uma certa rotatividade de passageiros. Já linhas que transportam passageiros de forma “pendular“, ou seja, lotadas em um determinado período em um sentido, e no sentido oposto em outro horário, tendem a faturar menos, por exemplo, a Linha 11-Coral.

Sabe aquela historia da linha de ônibus pinga-pinga que é super lucrativa para o empresário? isso vale para o sistema metroferroviário.

Outro fator importante, e que pode justificar o interesse privado nestas duas linhas, é que a iniciativa privada pode explorar espaços publicitários. Há notícias, por exemplo, que a CCR tem um lucro considerável pela publicidade que explora na Linha 4-Amarela.

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

comentários

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

    • Aí é que iriam piorar de vez… a linha 5 do metrô com a inciativa privada não faz diferença nenhuma em qualidade de quando era operada pelo metrô… quem abocanhou essa galinha dos ovos de ouro é que agradece essa onda neoliberal maluca do Brasil.

      • Discordo completamente. Uso essa linha diariamente e melhorou bastante depois que passou para a ViaMobilidade, principalmente em horário de pico.

        A Concessionária simplesmente está arrumando as lambanças deixadas pela estatal cheia de vícios….

        Melhoraram os AP´s,
        Regularidade
        Cartazes informativos
        Educação e informação
        Entre outras.

      • É bom JAIR se adaptando pq agora será assim.

        Se não tá bom, Venezuela é logo ali….vai lá ver como é bom os serviços publicos, metrô sucateado, hiper inflação, entre outras….politicas esquerdistas NÃO FUNCIONAM!!

        Chega de monopolio e cabidão de empregos e gente mal educada.

        • Ir me haddadptando com o que? Com laranjas? rs…

          Caramba, vcs tem uma fixação impressionante com a Venezuela… por sinal, hoje estou em Vancouver e usei muito bem o transporte público daqui operado pela ESTATAL Translink. Aliás, em Toronto o transporte público também é estatal… o “esquerdismo” por aqui tem funcionado…

          Vc sim é muito educado falando que o pessoal do metrô tá num “cabidão de emprego”…. quanto recalque, hein, colega?

  • A privatização tem de ser vantajosa não só para as empresas, mas também para a população. Porque tem aquele truque antigo: o poder público sucateia propositadamente o serviço pra depois justificar a privatização. E aí o governante é claro leva uma bela de uma propina. Mas em princípio não sou contra a privatização.

    • FALÁCIAS!!

      A CBTU e RRFSA deveria ter sido privatizada então…pq era tudo podre.
      A CPTM existe desde 1992 e pq não privatizam ela antes com essa justificativa? Precisou esperar 20 anos para isso?

  • O serviço na linha 7 Está cada dia pior, uma verdadeira calamidade, o trem se rasteja, acho que se anda a 15 km por hora é muito, na maior parte do trecho, simplesmente não se vê ninguém trabalhando na Via, quando você manda uma pergunta pelo site da CPTM eles dão respostas genéricas e evasivas, é de perder as esperanças, nunca esperei tanto pela mudança de mãos dessa empresa, acho que agora sou a favor da privatização sim, nada resolve o que acontece nessa linha. Na CPTM o serviço parece que só piora ano a ano uso essa linha a mais de 20 anos e até 2006 o serviço era até razoável hoje está impossível dá desânimo de manhã sair de casa e saber que o que mais vai cansar é pegar um trem lotado cheio de ambulantes, de falhas, de atrasos, de lentidão, de pessoas sentadas no chão atrapalhando e guardas que fingem fazer o seu serviço, isso tudo sempre tendo em mente que não adianta reclamar porque a CPTM simplesmente lavar as mãos.

  • A CPTM e o Metro poderiam ter muito mais lucro se trabalhassem com a publicidade e com locação de espaços, mas não fazem isso para viabilizar a concessão para o setor privado.

Publicidade

Anúncios