ViaMobilidade começa a mudar adesivação dos trens

Imagens que circulam pelas redes sociais mostra que a ViaMobilidade, concessionária da linha 5 – lilás, do Metrô, já começou a mudar a adesivação dos trens do ramal.

Onde havia o logo do Metrô, agora há o logo da ViaMobilidade, nos moldes da ViaQuatro, concessionária da linha 4 – amarela. Onde havia a cor azul, que era dominante dos trens, passa a ter cor lilás.

A ViaMobilidade assumiu o controle da linha lilás no último sábado, 4.

38516083_903455413183017_3236213134041546752_n

38494769_903453956516496_7919922296574181376_n


Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

9 Comentários deste post

  1. Mais que o correto, daqui um ano ira melhorar a operação com certeza.

    Rodrigo Zika! /
    • Haha, esse seu pensamento é ridículo…. Viu que a linha está uma bosta e crê cegamente que vai meelhorar apenas por ser privatizado, que daqui a um ano os problemaa vão dumir. Na sua visão, você tenta interprerar de forma conveniente tudo para continuar com a ilusão de que privado é melhor

      • Enquanto houver bandidos e mamadores da máquina pública na politica, eu acredito que privado é melhor.

        • Odebrecht, Alstom, Siemens, OAS e outras empresas privadas envolvidas em corrupção mandam lembranças

        • Aham, e quem está no gabinete berno não são pessoas? Quemnfazem acordos fradulentos com pessoas do setor privado?
          Engraçado, né? Acontece que o privado rouba mas esconde. Agora não sei o que tem a ver provatizar uma empresa que SE SUSTENTA. Sabia que o estado tem que repassar dinheiro para a Via Quatro? Ou seja, o único metrô que dá prejuízo ao bolso da população é o privado.

      • Eu não comentei porque quero que tudo vire privado, no momento o governo e ineficiente, e só enrola com obras eternas e desvios sem investigações, se deram e porque não tem capacidade de operar, já tive muitos transtornos com a linha 3 por exemplo, por dar problemas, e parar por algum motivo, e isso me prejudicou no trabalho, o sistema não moderniza como deveria, e os metroviários cada ano que passa só querem aumento.

        • Primeiro que as obras não vão sair mais de pressa ou não se for privatizado. Quem fornece o dinheiro e o aval para a construção é governo do estado de SP e é do governo que você tem que cobrar. Privatização não muda nada aqui.

          Sobre a vermelha: é verdade que ela tem muitas falhas, mas que tal cobrar do governo que libere verba para manutenção, modernização e liberação do de funcionários da manutenção?
          Se for para falar de falhas, olha a lilás, que depois de privatizada ficou pior, com falhas todos os dias. Tá aí a eficiência da privatização.

          E outra: sabia que a linha 4 Amarela, que é bonita e moderna, foi construico pelo metrô estatal? Além de tudo, não é justo comparar uma linha MUITO maiis recente, construída há menos de 10 anos, com o resto das linhas que são bem mais antigas. Agora, em se tratando de operação, a linha 4, com menos extensão e menos trens apresenta proporcionalmente mais problemas do que as outras linhas do metrô público. Sendo que a linha é mais nova e proporcionalemente apresenta mais problemas.

          • Isso não justifica, o CBTC esta atrasado na linha 3 quase dez anos, por causa da incompetência do PSDB, e povo zzzz, isso nunca ira mudar.

            Rodrigo Zika! / (em resposta a Gabriel Alves)
  2. Ficaram bonitos. Estive em São Paulo em Julho e notei que os trens estavam “cinzas” demais. Talvez estavam preparando eles para a nova adesivação. Acho legal. Cria uma identidade visual da linha para os usuários. Mas, estética não garante tudo. Agora é botar à prova a eficiência. Claro que não dá pra cobrar que no primeiro dia a operação esteja perfeita (embora o ideal fosse), mas até quando eles vão operar com tantas falhas? Pedir umas dicas pro pessoal da linha 4 talvez ajudasse.

    Rodrigo Branquinho /

Deixe uma resposta