VLT

Governador diz que VLT de Cuiabá é um “erro histórico”

O candidato à releição ao governo do Mato Grosso, Pedro Taques (PSDB), disse que o projeto do Veículo Leve Sobre Trilhos – VLT de Cuiabá é um “erro histórico”. Apesar das declarações, o atual governador promete concluir as construções, que estão paradas desde 2014.

“Objetivamente, precisamos terminar o VLT, apesar de o VLT ter sido um erro histórico de Mato Grosso. E poucas pessoas debateram isso como eu. Eu apanhei muito por criticar isso. Disseram que eu era da máfia dos combustíveis, que eu não queria o VLT. Mas a sociedade cuiabana e várzea-grandense parece que estava embebecida com as obras da Copa. Foi um erro histórico”, disse Taques em entrevista a rádio Jovem Pan.

Nas palavras do candidato, o projeto não foi concluído por “corrupção”. “Por que o VLT não foi concluído? Não foi concluído em razão da corrupção. A corrupção não foi na nossa administração. Em fevereiro de 2017 houve uma operação chamada Descarrilho e demonstrou que Silval Barbosa recebeu dinheiro do Consórcio VLT. A culpa não foi do Pedro Taques, a culpa foi daqueles que roubaram o Estado de Mato Grosso”, afirmou o governador.

Pedro Taques ainda defendeu que a escolha de um corredor de ônibus no lugar do projeto de VLT, teria consumido R$ 500 milhões. A estimativa do VLT chega a quase R$ 2 bilhões. Taques disso ainda, que se eleito, deve promover nova concorrência para conclusão das obras. “O VLT tem problemas de projeto. Aí, dizem que em três anos não deu para resolver, mas ninguém quer fazer o VLT. Não posso ir lá e fazer o VLT, porque o Estado não tem mão de obra para isso. Agora, teremos um chamamento. Um edital internacional, feito corretamente, com participação do MPE e MPF e isso demora de seis a sete meses para ser construído”, afirmou.

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

Comente!

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade

Anúncios