Brasil CBTU

Metrô de Recife: 30 anos prestando serviços

Muitos de nós, paulistanos, não temos conhecimentos de outros sistemas metroviários Brasil a fora. Pode ser o caso do Metrô de Recife que completa hoje 30 anos de existência.

O sistema transporta quase 400 mil passageiros todos os dias, e é considerado essencial para o transporte da Região Metropolitana do Recife. Como de praxe em nosso país, sua expansão é lenta e demorada, sendo que a malha já ficou por 12 anos sem obras. O sistema possuí 71 quilômetros de extensão e 4 linhas, sendo parte operado por trem e parte por veículo leve sobre trilhos (VLT).

metro-recife-2

Nasceu assim como a nossa Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) aqui em São Paulo, a partir da malha ferroviária federal.

“O metrô do Recife foi um coroamento do planejamento urbano que se fazia à época. Todas as decisões necessárias para implantar um sistema de metrô foram tomadas. As pesquisas de origem e destino foram consideradas, assim como as nucleações de uma região metropolitana. Não podemos negar. Mas se buscou economia para sua implantação. Por isso se usou o antigo leito da rede ferroviária federal, repassado à CBTU. Não tivemos problemas no planejamento e, sim, na execução. A Linha Sul, por exemplo, deveria ter sido implantada antes da Linha Centro porque era lá que havia a demanda de passageiros. Mas se optou pela Linha Centro”, diz Fernando Jordão, ex-ferroviário e professor de ferrovias da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), em entrevista ao Jornal do Commercio.

e92e131e-5456-4d40-b9d7-d81da856d9e6

A Linha Centro, que é subdividida em dois ramais, levou 20 anos para atrair a mesma demanda de passageiros que a Linha Sul conquistou em cinco. Já a Linha Sul transporta sozinha quase a metade da demanda total do metrô e, em alguns anos, chegou a registrar crescimento de 50% no número de passageiros.

Imagem de "Soares" -  extraída do fórum Skyscrapercity
Imagem de “Soares” – extraída do fórum Skyscrapercity

De acordo ainda com a reportagem, faltam investimentos.  Dados da própria CBTU (Companhia Brasileira de Trens Urbanos) que opera o sistema, mostram que o déficit financeiro é superior a R$ 200 milhões por ano. O sistema teve uma receita de R$ 68 milhões em 2014 e um custeio de R$ 270 milhões.

“O metrô está em operação há 30 anos sem ter trocado o sistema de sinalização ou a rede elétrica, por exemplo. Chegou à maturidade, mas sem os investimentos necessários. Não consegue sequer fazer a manutenção dos trens. Faltam peças, segurança e, principalmente, funcionários”, lamenta EduCardo Côrtes, engenheiro carioca enviado do Metrô de São Paulo para estruturar o sistema metroviário da capital recifense.

Com as informações de Jornal do Commercio

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

Comente!

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade

Anúncios