Metrô aposenta o último trem da frota A

O Metrô fez nesta quarta, 31, a última viagem comercial do trem A35, o último em operação da frota A. Fabricada pela Mafersa, sob licença da The Budd Company, a frota A originalmente era composta por 51 trens.

O evento contou com a presença de blogueiros e fãs do Metrô.

Agora o trem segue para modernização pela Bombardier e deve voltar com a nomenclatura de J35.

A Frota A operou com maior constância na Linha 1-Azul. Já operaram também na Linha 2-Verde, desde a sua inauguração até o início de 2010, e também na Linha 3-Vermelha, também desde sua inauguração, até a chegada da frota D, frota que atualmente se encontra extinta.


Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

7 Comentários deste post

  1. Teve sua glória mas já vai tarde
    quem não concorda que se contente com a frota E e que de preferência nos dias mais quentes do ano façam questão de utilizar esses lixos.

    Renato / Responder
  2. Poderiam ter mantido uma composição de tal frota, fazendo as devidas manutenções mecânicas. Tal frota não é apenas um marco na historia dos transportes em SP como também de todo o Brasil.

    Felipe / Responder
    • Eu concordo, não deveriam mexer nesta última composição que foi o marco de referência para o transporte de SP.

      Brunno / (em resposta a Felipe) Responder
  3. Hoje já tá rodando.

    Nivaldo Fernandes / Responder
  4. Fim de uma era, hoje os tempos são outros, o público usuário do metrô exige trens mais confortaveis, com ar condicionado e isolamento termo-acústico.

    Só trens modernizados e no máximo 11 antigos da frota E.

    A modernização veio na hora certa e que venha o J35 agora!

    Renato / Responder
    • Frota E que tb não deve durar muito tempo, visto que será bem mais rápido de se modernizar: Enquanto a frota A possuía 51 trens (pois foi fundida com a B), a C possuía 25 trens e a D possuía 22 trens, a E só possui 11…

      Francis / (em resposta a Renato) Responder
  5. Não tem como manter um trem desse padrão quando se pode ter mais conforto nos transportes, afinal estamos falando de milhões que vão e voltam do trabalho diariamente, normalmente cansativo e estressante.

    O que eu acho que poderia ter sido feito era preservar preservar pelo menos um vagão deste trem para manter em um museu do transporte pois remete ao início da metrópole São Paulo e não tem coisa melhor do que aprender como se vivia em outra época estando ali dentro, neste caso, dentro do veículo. Porém como não ouvi falar de nenhum plano pra isso, essa história só poderá ser contada por meio de relatos, vídeos e fotos mesmo (o que já é muito melhor que nada).

    Digo, sei que infelizmente não temos como guardar uma amostra de TUDO para recordarmos mas acredito que quando podemos guardar pelo menos uma amostra do início, sempre é muito válido para as gerações futuras.

    O.Juliano / Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*