Foto: Renato Lobo | Via Trolebus
Metrô SP

Sem prazos, governo cita pandemia sobre atrasos no CBTC nas Linhas 1 e 3 do Metrô

Em um relatório publicado no Diário Oficial do Estado, a Secretaria dos Transportes Metropolitanos – STM não menciona prazos de conclusão da instalação do sistema de sinalização CBTC nas linhas 1-Azul e 3-Vermelha do Metrô. A ferramenta é da Alstom, e será responsável pela diminuição no intervalo das duas ligações metroviárias mais antigas do sistema.

De acordo com o texto, “a Linha 2 – Verde já opera por CBTC desde fevereiro de 2016 com versão intermediária de software do sistema de sinalização e controle”. O texto diz ainda que “em fevereiro de 2020 foi implantada nova versão desse software, ainda sem a integração com a Linha 1 – Azul e a Linha 3 – Vermelha.

Atualmente nas Linhas 1 – Azul e 3 – Vermelha alguns equipamentos estão sendo instalados, testados e liberados
para a operação comercial, como por exemplo: novas máquinas de chave hidráulicas, sistema de telefonia, sistema de transmissão de dados, sistema de alimentação ininterrupta, entre outros.

Devido à pandemia do COVID-19, o cronograma de implantação do sistema CBTC nessas duas linhas está em fase de replanejamento com relação as datas finais de entrega”, diz parte da publicação. “Quando a implantação for concluída, esses novos equipamentos e sistemas permitirão melhorar todo o desempenho operacional das linhas, reduzindo os custos de manutenção“, diz o texto.

Foto: Raphael Comitre

Entenda o “CBTC”

Os sistema oferece a possibilidade de uma comunicação digital bilateral entre as composições e a infraestrutura de linha. As informações são transmitidas em tempo real à central de controle e a cada trem. No sistema atual, a movimentações das composições é feita através de blocos. No CBTC, este movimento será feito virtualmente ou por meio de comunicação via frequência de rádio. O novo sistema além de aumentar a capacidade de transporte da linha, reforça a segurança.

Especialistas apontam o modelo de gestão das composições como solução para automatizar a movimentação dos trens, e integração do sistema de comunicação onde há basicamente três redes: uma cabeada interligando todas as estações, pátio e centro de controle, uma rede de rádio comunicação wireless interligando trem e equipamentos de via (IEEE 802.11 g/a – 5.8 GHz) e uma rede Etehernet interligando os sistemas do trem.

No caso das linhas 1 e 3 do metrô de São Paulo, o CBTC esta sendo implantado de forma a integrar outros sistemas como por exemplo, de transmissão digital,  monitoração eletrônica,  multimídia, controle de portas de plataforma e apoio à manutenção. Atualmente, as linhas 2, 4, 5 e 15 contam com a funcionalidade.

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

Comente!

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade

Anúncios