Ônibus

16 empresas de ônibus encerraram atividades no Rio desde 2015

O sistema de ônibus do Rio de Janeiro apresenta dificuldades, não só para o passageiro, mas também para os operadores.

De acordo com um comunicado da Rio Ônibus, que é o sindicato que representa as viações, desde 2015, 16 empresas encerraram atividades, por conta de problemas financeiro, causados por falta de passageiros pagantes e falta de ajuda do Poder Público para operação do serviço.

A décima sétima operadora entrou para a conta, a Viação Acari, que opera oito linhas na cidade, dentre as quais, 457 (Abolição X Copacabana), 650 (Engenho Novo X Mal Hermes) e 607 (Cascadura X Rio Comprido). Dentro de aproximadamente 30 dias, quando a empresa terá cumprido o aviso prévio, 600 trabalhadores rodoviários perderão seus empregos.

Segundo ainda a nota, ao completar um ano da pandemia, o Rio Ônibus acumula déficit de receita de R$1,3 bilhão. A média diária de passageiros transportados caiu de 3,5 milhões para 1,7 milhão. Ao longo do período, deixaram de ser transportados 600 milhões de passageiros na cidade.

“O transporte é atividade essencial para manutenção e retomada da economia. Mesmo diante do caos gerado pelo vírus da Covid-19, o setor não parou, e vem fazendo sua parte, encarando as incertezas e mantendo ativa a possibilidade de deslocamento da população. Porém, sem ajuda ou atendimento de nenhuma das esferas de Governo, congelamento de tarifas há quase 30 meses e a queda de 50% dos passageiros pagantes desde março do ano passado, empresas como a Viação Acari não conseguem se manter em atividade por absoluta falta de caixa. O que temos é um grande problema estrutural sistêmico que tende a levar outras empresas à mesma situação. É hora de dar vida ao debate amplo, envolvendo sociedade civil, Ministério Público, Judiciário e integrantes específicos dos poderes Executivo e Legislativo municipais”, afirma Paulo Valente, porta-voz do Rio Ônibus.

A entidade diz ainda que falta fiscalização do transporte clandestino e aponta que a queda na receita das empresas se somam a questões crônicas, dentre as quais o não ressarcimento pelas gratuidades (20% do total de pessoas transportadas); o congelamento da tarifa em R$4,05 (uma das mais baratas do país); as condições viárias e mobiliário urbano degradado; bem como a falta de investimentos em segurança pública, que resulta em vandalismo, incêndios, paralisações e sequestros de veículos por criminosos em diferentes pontos da cidade.

“O Sindicato das Empresas entende que há soluções viáveis para a recuperação do transporte por ônibus no Rio, bem como a retomada do patamar de qualidade ao serviço prestado ao cidadão. Todo o planejamento, estudos e necessidades são apresentadas, enviadas e debatidas constantemente com Prefeitura, na busca por um cenário em que empresas cariocas não sejam obrigadas a fechar as portas, demitir funcionários e deixar de atender passageiros”, afirma Paulo Valente.

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

Comente!

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade

Anúncios