Foto: divulgação Metrô
Metrô SP

Em relatório, Metrô fala sobre lentidão nas obras da Linha 2-Verde pela pandemia

O Metrô de São Paulo divulgou em seu site o “Relatório Integrado – Metrô de São Paulo – 2020“, que faz um balanço das realizações da companhia em 2020, e traça planos e previsões para expansão da rede.

Sobre o processo de expansão da Linha 2-Verde, entre a Vila Prudente e a Penha, o documento cita que a pandemia da covid-19 trouxe dificuldades na implantação. O texto cita ainda “baixa produtividade nos órgãos para obtenção de licenças”.

“2020 foi um ano muito difícil para todos, e o empreendimento também foi fortemente impactado pela pandemia da COVID-19 e a baixa produtividade nos órgãos para obtenção de licenças e liberação ambiental para o início das obras”, diz o relatório.

Outro ponto que foi considerado, diz respeito a atuação de moradores do Jardim Têxtil que foram contra a retirada de árvores da região.

“A evolução do empreendimento em 2020 foi impactada pelas restrições impostas pela COVID-19, notadamente com relação aos prazos de obtenção de licenças e liberação ambiental para o início das obras. Houve também a atuação de grupos organizados de moradores no Jardim Têxtil, contra o início das obras, mesmo após o atendimento integral das exigências ambientais”, diz a publicação.

Foto: Renato Lobo | Via Trolebus

Evolução

O documento cita também a evolução do empreendimento. A companhia relata que as obras do VSE Falchi Gianini e das estações Anália Franco e Vila Formosa foram iniciadas e no final de 2020, e que todas as estações já possuíam ordem de serviço em condições de dar início aos trabalhos.

O Metrô ainda cita que as investigações geotécnicas foram concluídas e os projetos executivos estão em estágio avançado.

Sobre desapropriações, 99% de todos imóveis necessários foram desapropriados e todos os imóveis necessários para o momento atual do empreendimento encontram-se desapropriados e demolidos.

O Governo Estadual trabalha com o prazo de entregar o trecho de 8 quilômetros e oito estações até 2026.

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

comentários

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • Sempre uma desculpa afiada. Todos os paulistanos sabem o que realmente está por trás dessa morosidade e negligência toda, afinal, em 50 anos o chorume estatal chamado Metrô conseguiu produzir meros patéticos 80 km em sua malha ferroviária. É um desrespeito com requinte de crueldade esse tipo de justificativa falaciosa e mentirosa.
    Quisera eu e todos os pagadores de impostos que tal incompetência, omissão e ineficiência fosse uma “restrição momentânea ocasionada pelo Covid-19”, e não uma política praxe e vergonhosa do Metrô de São Paulo e de seus politiqueiros inaptos do PSDB.

  • “Grupo organizado de moradores” ?! O atraso se deve ao fato de a instalação da obra no complexo rapadura ter sido suspensa por liminares concedidas pelo TCM e pela Justica diante de indícios de graves irregularidades na obtenção de licenças para intervir num parque linear e no corrego rapadura, áreas de proteção ambiental, protegidas por leis bem específicas. Além disso, há 2 sitios arqueológicos, em risco de dano permanente, por causa da obra. Agora a justiça federal está entrando no caso… desse modo, os moradores fizeram o primeiro movimento. Todos os demais foram repostas da justiça. Mas o metro insiste em colocar os moradores como algozes. Na verdade são vítimas diante de um Golias que quer subtrai areas de uso da comunidade, que quer destruir áreas de proteção ambiental e que quer por em risco áreas do patrimônio histórico…

Publicidade

Anúncios