Trens Regionais

Conheça o Plano de Trens Regionais estudado por Minas Gerais

O Estado de Minas Gerais estuda a retomada do transporte ferroviário, tanto para passageiros quanto para cargas.
O Plano Estratégico Ferroviário de Minas Gerais (PEF) é composto por um portfólio de projetos priorizados para a implantação e operação de uma nova estrutura ferroviária. Foi feito um diagnóstico do atual sistema ferroviário mineiro, de forma a serem definidas estratégias, e elaborado um plano de investimentos que atenda à demanda do setor e da população mineira. Trata-se de um plano de investimentos desenvolvido para orientar investidores, o que indica que o estado pode optar por Parcerias Público Privadas – PPP.

Um documento no site da Secretaria de Transportes e Obras Públicas cita a “oportunidade de retomada do transporte de passageiros regionais em Minas Gerais a partir do aproveitamento de malhas existentes e não operacionais, ou pelo compartilhamento com corredores de cargas.”

Até o momento, foram elencadas 60 propostas, agrupadas por áreas temáticas, sendo 23 de transporte ferroviário regional de passageiros, 15 de transporte de cargas, 11 de transporte turístico, 7 contornos e trechos urbanos e 4 plataformas logísticas.

O Plano Regional

O Plano para Trens Regionais em Minas prevê nove ramais, entre 23 alternativas estudadas e 132 cidades que seriam atendidas. A área de abrangência na malha atenderia a uma população de 19,3 milhões de habitantes, com potencial de atendimento para 3 milhões de passageiros por ano. São 2.730 km de linhas.

Os eixos previstos cruzam Belo Horizonte, de norte a sul e de leste a oeste. Os ramais propostos são: BH – Janaúba, Cordisburgo – Divinópolis, Monlevade – Governador Valadares, BH-Lafaiete-Mariana, Mariana –  Além Paraíba e Divinópolis –  Lavras.

Prevê ainda ramais independentes, como uma ligação interestadual entre Poços de Caldas e Campinas em São Paulo:

Prazos

Não há um prazo concreto para obras. Oe estudos foram feitos para fomentar um plano estratégico para a volta do transporte ferroviário de passageiros e médio e longo prazo, em um horizonte de mais ou menos 15 anos.

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

1 comentário

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • Vejam vocês que eles estão querendo reativar linhas que eram operados pela RFFSA nos anos 70, 80 e 90. Muito dessas linhas já possuíam uma boa demanda e que foram criminosamente extintas como o Trem do Sertão (BH – Monte Azul), Trem Mineiro (Barra Mansa – Lavras), Trem Vera Cruz (BH – Rio de Janeiro), se acessarem o link http://www.estacoesferroviarias.com.br/trens_mg/indice.htm mostra que as linhas que estão planejando já existiam e foram abandonadas em sua maioria tanto pra passageiro quanto para carga pela iniciativa privada por falta de interesse. Por serem consideradas antieconômicas elas devem ser mantidas pelo Estado devido a ser um fator de bem social.

Publicidade

Anúncios