EMTU

Presidente da EMTU atribui aumento na tarifa a falta de subsídios

O Diretor-presidente da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos – EMTU, Joaquim Lopes, disse nesta quinta-feira, 5 de janeiro, que o início da cobrança na integração nos terminais de Diadema, Piraporinha, Campo Limpo e Capão Redondo, se da por conta de uma relação desigual no corredor operado pela Metra e as linhas municipais do ABC.

“O Corredor ABD tem uma relação com cinco municípios muito desigual. Santo André, São Bernardo e Mauá têm uma tarifa de integração cheia (inclusa na passagem). Já nos terminais de Diadema, Piraporinha e São Mateus, a transferência era livre”, disse.

No caso de São Mateus, a cobrança de R$ 1,00 para baldear entre SPTrans e trólebus, foi autorizado pela prefeitura de São Paulo.

Já sobre os novos valores em linhas intermunicipais, Lopes cita a falta de subsídios por parte do governo Estadual. “O sistema municipal é diferente do metropolitano. Uma informação importante é que ele não tem nenhum subsídio. Assim, a receita arrecadada tem que cobrir os custos a fim de manter os contratos equilibrados. Então basicamente essa é a razão para o reajuste das tarifas”, afirmou.

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

Comente!

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade

Assuntos

Anúncios

Cadastre-se em nossa newsletter!