Monotrilho

Lei de zoneamento exclui incentivos em regiões dos Monotrilhos

Imagens de Sergio Mazzi

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, em entrevista sobre a nova lei de zoneamento, questionou a viabilidade técnica sobre os monotrilhos em implantação na cidade.

“Não tem como saber ao certo o que pode ocorrer do ponto de vista de intervenções onde vai ter monotrilho. É difícil fazer um planejamento para os próximos anos e incluir [na lei de zoneamento]. Há dúvidas técnicas” – disse Haddad, sem apresentar tais agravamentos.

Com a nova determinação, as regiões por onde vão passar as linhas 15-Prata, 17-Ouro e 18-bronze deixam de receber incentivos, que privilegiam a construção de imóveis residenciais com até duas vagas de garagem e custos menores, alem de vaga de estacionamento para cada 60 metros quadrados de construção, sem ter de pagar a mais por isso, reduzindo o preço dos imóveis.

Construções do monotrilho da Linha 17-Ouro, entre Morumbi e Congonhas - Foto de Sergio Mazzi
Construções do monotrilho da Linha 17-Ouro, entre Morumbi e Congonhas – Foto de Sergio Mazzi

A nova lei visa o adensamento populacional ao longo de eixos de transporte estruturais, afim de contribuir para o deslocamento na capital paulista. O plano prevê ainda o alargamento de calçadas nas áreas de influência dos eixos e vestiários para usuários de bicicletas nos novos empreendimentos.

O que diz o Metrô

Por outro lado, o Metrô de São Paulo em nota enviada à imprensa ressalta as vantagens do meio de transporte. “O Monotrilho é um sistema de transporte coletivo composto por trens que trafegam com pneus de borracha em via elevada. Movido a eletricidade, opera sem condutor e viaja a uma velocidade de até 80km/h, com intervalo entre trens de 90 segundos. O sistema Monotrilho já opera em diversos países como Alemanha, Austrália, China, Emirados Árabes, Estados Unidos, Inglaterra, Japão, Malásia, Rússia e Singapura.”, diz a companhia no comunicado.

Panorama atual

Atualmente as obras seguem na Linha 15-Prata [Ipiranga – Hospital Cidade Tiradentes], no trecho entre Vila Prudente e São Mateus. Os trabalhos na linha 17-Ouro [Jabaquara – Aeroporto – São Paulo Morumbi], que foram iniciados apenas entre Congonhas e Morumbi, tiveram problemas na execução por contratempos com as empreiteiras. As obras da Linha 18 [Tamanduateí – Djalma Dutra] ainda não começaram.

Trecho em operação da Linha 15-Prata, entre Vila Prudente e Oratório - Foto de Sergio Mazzi
Trecho em operação da Linha 15-Prata, entre Vila Prudente e Oratório – Foto de Sergio Mazzi

O Metrô diz ainda que as paralisações se dão por questões financeiras agravadas pela crise econômica e faltas de repasses do Governo Federal. Ou seja, a morosidade nas construções não esta ligada a questões técnicas na escolha do modal, na visão do Metrô.

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

Comente!

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade

Anúncios