Mobilidade Urbana

5 Símbolos da Cultura Rodoviarista em São Paulo

É equivocado separar uma faixa de rolamento de uma rua ou avenida para a passagem do ônibus? É errado retirar vagas de estacionamento, e instalar ciclovias? Se você escolheu o sim como resposta é bem provável que seja adepto a Cultura Rodoviarista.

Em 1950 Robert Moses elaborou o “Programa de melhoramentos públicos de São Paulo”, onde era previsto que o número de automóveis iria aumentar. E aumentou mesmo! A capital paulista tinha 1 carro para cada 32 habitantes, atualmente essa relação é de 1 para 2. Foi nesta época que se cogitou retirar os bondes, já que eles iriam “atrapalhar” o trânsito. A extinção desse modal que hoje poderia ser o nosso VLT, ocorrera mais tarde, em 1968.

De lá para cá estruturas grandiosas foram erguidas em benefício do transporte individual motorizado, na sua maioria em detrimento do coletivo, excluindo o ônibus, a bicicleta e o pedestre. O resultado dessa cultura nós colhemos hoje: trânsito caótico, poluição do ar a níveis elevados, além de um grande número de acidentes, resultando em muitas mortes. Só pelo trânsito a cidade perde em média, 50 milhões de reais por dia. (leia aqui).

O uso do automóvel cresceu, mas atende a uma minoria. Dados de uma porção de pesquisas revelam que em São Paulo só os carros ocupam 80% do viário, e só levam 20% das pessoas que se deslocam por meio do automóvel. A restante maioria e oprimida se espreme no ônibus, anda por calçadas péssimas, e não contam ainda com uma rede de ciclovias.

Separamos aqui 5 obras que mostram claramente a Cultura Pró-carro:

Minhocão – Inaugurado em 1970, uma via expressa elevada que liga a região da Praça Roosevelt, no centro da cidade, ao Largo Padre Péricles, em Perdizes. Apenas carros trafegam na via durante seu horário de operação, de segunda a sábado, das 6h30 às 21h30.

5183709244_51af316bd6_o

Túnel Ayrton Senna – Inaugurado em 1995, o custo do túnel foi orçado em 147 milhões de reais, porém, no final, foram gastos 738 milhões de reais. Por lá ônibus são proibidos.

42_20130626014911_tunel-ayrton-senna-2-

Ponte Octávio Frias de Oliveira – Inaugurada em 2008, faz parte do Complexo Viário Real Parque, e é formada por duas pistas estaiadas em curvas independentes de 60º que cruzam o rio Pinheiros. Apenas carros trafegam pelo local. Foram gastos 184 milhões de reais.

Ponte_estaiada_Octavio_Frias_-_Sao_Paulo

Nova Marginal – Em 27 de março de 2010 foi inaugurada a primeira etapa do projeto Nova Marginal Tietê, que incluí uma terceira faixa em três pontos com 23 quilômetros de pistas em cada sentido. Foram gastos 1,7 bilhão de reais para a obra, 75% a mais que o previsto (Leia aqui). Foi feita para melhorar o trânsito, porem semanas depois se mostrou o contrário: mais carros, mais trânsito.

13fev2015---o-transito-e-intenso-na-marginal-tiete-sentido-rodovia-castelo-branco-na-altura-da-ponte-das-bandeiras-em-sao-paulo-nesta-sexta-feira-13-a-via-registrou-as-17h-415-quilometros-de-1423856846859_1920x1080

Túnel Maria Maluf – Inaugurado em 9 de Julho de 1994, faz a ligação entre a o corredor da Av. dos Bandeirantes com a Av. Tancredo Neves, possibilitando a ligação da Marginal Pinheiros com a Via Anchieta. No túnel só trafegam automóveis.

94_big

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

Comente!

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade

Assuntos

Anúncios