Alckmin autoriza publicação dos editais de concessão da linha 15-Prata do Metrô e do Parque Capivari

O governador Geraldo Alckmin e o secretário de Estado dos Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, autorizam nesta quinta-feira (15) a publicação dos editais de concessão da linha 15-Prata do Metrô, em São Paulo, e do Parque Capivari, localizado em Campos do Jordão. Ambos os processos foram precedidos por audiências públicas.

O objetivo é conceder à iniciativa privada a operação e manutenção da linha 15 pelo período de 20 anos. O valor do contrato é estimado em R$ 4,5 bilhões. O edital da licitação estará disponível a partir do próximo dia 23 no portal da Secretaria dos Transportes Metropolitanos (www.stm.sp.gov.br). O leilão deve ser realizado no dia 26 de junho na sede da B3 (antiga BM&FBOVESPA), no centro da capital. O lance mínimo para outorga é de R$ 153,3 milhões. O critério de julgamento será o de maior valor oferecido, em moeda corrente nacional, pela outorga fixa da concessão.

Para ampliar a concorrência a licitação é feita na modalidade internacional. Todos os integrantes dos consórcios que formam as Sociedades para Propósitos Específicos (SPEs) que atuam na área metroviária são dotadas de competência para participar.

Com tecnologia de monotrilho, a linha 15-Prata, funciona desde agosto de 2014 em entre as estações Vila Prudente e Oratório, ao longo de 2,9 km, contando com o pátio de manobra. Agora as obras estão concentradas no segundo trecho, de Oratório a São Mateus, nas quais trabalham 2.210 pessoas. As colunas e vigas que compõem a via permanente por onde passarão os trens do monotrilho já estão implantadas até a região da estação São Mateus.

Serão mais 15 quilômetros de vias elevadas, 27 novos trens e nove estações. As estações São Lucas, Camilo Haddad, Vila Tolstói, Vila União, Jardim Planalto devem ser abertas em abril. Sapopemba, Fazenda da Juta e São Mateus estão programadas para serem inauguradas até o fim de maio. A última estação será a Jardim Colonial, prevista para março de 2021. Ao todo, o Governo do Estado investe R$ 5,2 bilhões.

Parque Capivari – Atualmente administrado pela Estrada de Ferro Campos do Jordão (EFCJ), o Parque Capivari deve ser concedido à iniciativa privada por um prazo 30 anos. A empresa que vencer a licitação será responsável por obras de reforma e modernização, manutenção e administração do espaço.

A previsão de investimento da empresa privada vencedora da licitação é de R$ 35,3 milhões. O edital da concorrência pública do Parque Capivari estará disponível a partir do próximo dia 21 na página www.stm.sp.gov.br. O pregão deve ser realizado em 45 dias após a publicação do edital. O critério de julgamento será a maior outorga variável. O lance mínimo é de R$ 16,350 milhões. O retorno financeiro virá por meio da operação da praça e seus equipamentos turísticos.

Entre as melhorias previstas no local estão um moderno teleférico, um equipamento chamado trenó sobre trilhos, uma concha acústica, novas áreas comerciais, sanitários, estacionamentos. O projeto inicial inclui ainda requalificação do pedalinho, recomposição de áreas verdes, preservação dos equipamentos e reurbanização do Morro do Elefante, com novo mirante.

Com uma área total de 40 mil m², o Parque Capivari é um dos principais polos turísticos de Campos do Jordão. Após a modernização, deve passar a receber ainda mais turistas, contribuindo para geração de emprego e renda à população e promoção de lazer e cultura para a região.

 

Fonte: Assessoria STM


Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

2 Comentários deste post

  1. Mais um contrato mal feito do pior governador da história. Ao invés de fazer igual o Governador da Bahia fez, onde a CCR teve de construir a linha 2 em troca da 1, aqui essa praga psdbista entrega de graça mesmo. Lamentável.

    Cris /
  2. A ferrovia Campos do Jordão tem uma fonte de renda que cobre seus gastos graças ao pedalinho e ao teleférico e o espaço de lojas do parque Capivari. Todas as suas operações ferroviárias são economicamente deficitárias. Aí vem o governo e quer arrendar o parque para seus amiguinhos, o parque que é o filé Mignon da coisa toda, e deixa a ferrovia sucateada para nós contribuintes pagarmos os seus prejuízos. Daqui a algum tempo é capaz ainda de fechar a ferrovia que é turística isso eu não duvido nada.

    Caramba, se vai vender vende o conjunto todo, ou não vende nada, poxa. Vende com a condição de continuidade do trem de subúrbio a Piracuama, com a recuperação do parque das Aguas Claras. Alias, sabiam que desde agosto/17 não funciona o trem de serra, Pinda-Campos? E também não funciona o Campos – Santo Antonio do Pinhal. Ah mas o Site diz que funciona…é só ligar lá e eles te explicam. Isso o governo não arruma…. Putz que vergonha de ser brasileiro

    Rafael de Souza /

Deixe uma resposta