Presidente da EMTU atribui aumento na tarifa a falta de subsídios

O Diretor-presidente da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos – EMTU, Joaquim Lopes, disse nesta quinta-feira, 5 de janeiro, que o início da cobrança na integração nos terminais de Diadema, Piraporinha, Campo Limpo e Capão Redondo, se da por conta de uma relação desigual no corredor operado pela Metra e as linhas municipais do ABC.

“O Corredor ABD tem uma relação com cinco municípios muito desigual. Santo André, São Bernardo e Mauá têm uma tarifa de integração cheia (inclusa na passagem). Já nos terminais de Diadema, Piraporinha e São Mateus, a transferência era livre”, disse.

No caso de São Mateus, a cobrança de R$ 1,00 para baldear entre SPTrans e trólebus, foi autorizado pela prefeitura de São Paulo.

Já sobre os novos valores em linhas intermunicipais, Lopes cita a falta de subsídios por parte do governo Estadual. “O sistema municipal é diferente do metropolitano. Uma informação importante é que ele não tem nenhum subsídio. Assim, a receita arrecadada tem que cobrir os custos a fim de manter os contratos equilibrados. Então basicamente essa é a razão para o reajuste das tarifas”, afirmou.


Autor: Renato Lobo

Ler todos os posts

Paulistano, Técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

6 Comentários deste post

  1. então que se abra essas planilhas pra sabermos quanto de graxa, peneu, combustivel/energia, lona de freio… é comprado. até pq… disceram que pavimento rigido ajuda a economizar combustivel – fizeram em pavimento rigido. disceram que cambio automático ajuda a economizar combustivel – quase todos os carros da metra tem cambio automático. disceram que cobrador é um custo a mais… – os carros da metra não tem cobrador… disceram que pontos muito próximos é ruim – os pontos do corredor abd são mais afastados.
    que falta??? pedir pra pagar a passagem e ir a pé empurrando o onibus????
    seria interessante esses caras falarem logo em que buraco socam o dinheiro da passagem.

    Thiago / Responder
    • E pavimento rígido e veículos não precisam de manutenção? Isso tem um custo, ou será que é gratuito?

      Sem falar que o corredor é penalizado todo dia com sobretaxa por aumentar o consumo de eletricidade em horário de pico da tarde, quando toda a indústria diminui o consumo das 17h às 21h. Mas o corredor e os metrôs do brasil não são indústrias que podem diminuir a produção, assim deveriam ser isentados dessa cobrança de sobretaxa. Mas ninguém corre atrás do congresso para liberar o setor de transportes das sobretaxas. . .

      Ivo Suares / (em resposta a Thiago) Responder
      • Ola Ivo… que o pavimento rígido precisa de manutenção eu concordo plenamente… agora va ver qual é o periodo de garantia de um pavimento rígido feito em pais decente (não precisa ser pais de 1° mundo, basta ser decente…) e va ver quantas vezes estão refazendo aquele concreto meia-boca do corredor da metra. eu uso o corredor todo dia desde 2011 e em varios locais ja é a 3° vez que estão refazendo…

        Thiago / (em resposta a Ivo Suares) Responder
  2. Gênio. A princípio o Administrador público deveria reunir esforços para tornar a integração gratuita nesses locais onde não há, pois isso vai de encontro ao interesse da população. Mas não, o princípio dos direitos iguais foi nivelado por baixo nesse caso. É São Paulo saindo dos trilhos

    Tiago / Responder
  3. Isso Vai Se Resultar em Protesto Contra o Aumento e a Favor da Diminuição do Preço da Tarifa da EMTU Principalmente Pela Integração

    Michell / Responder
  4. Enquanto isso, onde estão as obras da extensão do trecho da EMTU entre S. Mateus, Cid. Tiradentes, Guaianazes, S. Miguel/It. Pta., Bom Sucesso, Pimentas, Aeroporto de Cumbica & Guarulhos (Centro)?

    Michell / Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*