Cidades discutem ampliação do VLT até Itanhaém e Peruíbe

Segunda-feira – 00h40

Prefeitos da Baixada Santista discutem reutilizar trilhos da região para o transporte de passageiros, e uma das possibilidades seria a ampliação do Veículo Leve Sobre Trilhos – VLT de Santos e São Vicente, até Peruíbe, passando por Itanhaém. Cidades devem estudar o novo projeto que utilizaria o leito ferroviário desativado que liga as cidades litorâneas até o Vale do Ribeira.

Atualmente a Rumo Logística (antiga ALL) diz não haver viabilidade econômica para explorar o trecho Cajati – São Vicente, e a empresa deve devolver o lote de 213 quilômetros à União.

Na semana passada, autoridades participaram de uma reunião para debater a utilização do trecho para expansão do VLT e de serviços turísticos.

Técnicos das prefeituras de Praia Grande, Mongaguá, Itanhaém e Peruíbe iniciaram estudos locais de utilização no entrono da linha-férrea.

“Tenho opinião clara de exploração do espaço: VLT até Peruíbe e roteiro turístico para o Vale do Ribeira”, defende o deputado federal João Paulo Papa (PSDB).

A Rumo Logística disse em um comunicado que “a exploração do trecho deve se dar em outro modelo de negócios, como por exemplo as chamadas short lines, VLTs ou trens turísticos“.


Autor: Renato Lobo

Ler todos os posts

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

8 Comentários deste post

  1. Seria o correto, apoio.

    Rodrigo Zika! /
  2. Um projeto bacana de se acompanhar.

    Roberto Robson /
  3. Entre falar e fazer, existe um abismo enorme….

    Renato /
  4. acho q não tem demanda!

    Alexandro Vieira Lopes /
  5. Totalmente apoiado

    Daniel Sinkevicius /
  6. Seria ótimo ir de VLT de Santos a Mongaguá por exemplo…

    Daniel Sinkevicius /
  7. Muito bacana a ideia, mas será que tem demanda?

    Tiago /
  8. Concordo com o Sr. Renato, entre falar e fazer existe um abismo.
    Quanto a demanda, só pra se ter uma idéia os deslocamentos só de praia grande a santos são de 51mil passageiros/dia, todas as linhas da EMTU no litoral sul fazem 38 mil viagens/dia então tem demanda sim.
    Algo que realmente eu gostaria de saber é se nessa reunião alguem ao menos percebeu que a bitola ferroviária dos trilhos do VLT santista é de 1435mm enquanto a bitola no ramal Samaritá-Cajati é de 1000mm. Essa diferença pode trazer transtornos na hora de reaproveitar o leito ferroviário devido ao gabarito. Questiono se não seria melhor tentar implantar um VLT regional a diesel (como os da Bom Sinal), cuja infraestrutura de construção é mais simples e aproveitaria a bitola e o gabarito existente.
    Como iriam fazer na idéia do deputado? Bitola 1435mm até Peruíbe, e depois baldeio para a bitola de 1 metro? a ferrovia fica meio “amputada” com a chamada “Quebra de Bitola”.

    Rafael de Souza /

Deixe uma resposta