Interior do Monotrilho
Metrô SP

Mais linhas e menos bancos. Por que menos assentos no Metrô?

Quem esteve na inauguração do Monotrilho, ou acompanhou na internet o primeiro dia de operação assistida, pode observar que existem poucos bancos nestas composições: Cada trem do monotrilho possuí 120 assentos. Já nas composições reformadas ou novas do metrô são 264 bancos, contra 368 nos trens mais antigos, ainda presentes na Linha 1-azul, ou seja, cerca de 25% a mais.

Cabe lembrar que as composições do monotrilho são menores que as do metrô convencional. São 90 metros contra 132 metros, respectivamente.

Interior do Monotrilho
Interior do Monotrilho

A medida, no entanto, é criticada por muitos usuários que afirmam que a falta de conforto no transporte publico pode ser agravada com a medida de retirar assentos. Como atrair o usuário do carro, por exemplo?

Interior de um trem reformado do Metrô - Imagem de Samuel Tuzi
Interior de um trem reformado do Metrô – Imagem de Samuel Tuzi

Por outro lado, especialistas em mobilidade explicam a medida é compreensível, diante de outras prioridades do poder público -como a necessidade de garantir a locomoção de mais pessoas.

O metrô, por exemplo, é considerado um transporte de massa para viagens curtas. Dessa forma, no mundo inteiro já é projetado com a expectativa de que, nos picos, a maioria não ficará sentada. “Em viagens rápidas, é justificável ter menos bancos para levar mais pessoas em pé”, diz Marcos Bicalho, da ANTP (Associação Nacional de Transportes Públicos). A declaração foi dada no jornal Folha de São Paulo em 2007.

Sobre o autor do post

Renato Lobo

Paulistano, profissional de Marketing Digital, técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

Comente!

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicidade

Anúncios