Bicicleta como meio de transporte poderia adicionar até R$ 870 milhões ao PIB da cidade São Paulo

bicicleta é um meio de transporte saudável, econômico e que proporciona um novo olhar para a cidade. Mas os impactos efetivos que ela traz ou pode trazer para a sociedade paulistana é algo que até agora não havia sido mensurado. É o que fizeram pesquisadores do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (CEBRAP), a pedido do Itaú Unibanco, com o estudo “Impacto Social do Uso da Bicicleta em São Paulo”.

A pesquisa, divulgada nessa quinta-feira (10), é inédita ao dimensionar o potencial que o uso da bicicleta tem como elemento transformador da realidade social em três áreas centrais para a vida na cidade: Meio Ambiente, Saúde e Economia.

A partir de 1,1 mil entrevistas com moradores da capital paulista (ciclistas e não-ciclistas), o estudo mostra que, se parte dos deslocamentos feitos atualmente com automóveis e ônibus fossem realizados por bicicleta, haveria ganhos de produtividade, saúde e redução da poluição. Traduzindo em números: o PIB municipal poderia ter um acréscimo de até R$ 870 milhões, haveria economia de 13% (R$ 34 milhões) por ano no Sistema Único de Saúde com internações por doenças cardiovasculares e diabetes e as emissões de dióxido de carbono com transporte poderiam ser 18% menores.

“Se planejadores urbanos, políticos, estudantes ou mesmo a população têm dificuldade de enten­der por que é importante incentivar o uso da bicicleta em São Paulo ou em qualquer grande cidade, este estudo contribui com algumas respostas”, diz Carlos Torres Freire, coordenador do Cebrap responsável pela pesquisa.

“Temos a mobilidade urbana como uma de nossas causas, e uma das frentes dessa nossa atuação é fomentar iniciativas que contribuam para a formulação de políticas públicas que promovam a bicicleta como meio de transporte”, diz Luciana Nicola, Superintendente de Relações Governamentais e Institucionais do Itaú Unibanco. “O estudo representa uma ferramenta importante para evidenciar o poder de transformação que a bicicleta pode ter nas cidades”, conclui.

 

Meio Ambiente

Para mensurar os impactos ambientais, os pesquisadores do Cebrap identificaram os deslocamentos realizados por automóveis e ônibus que poderiam ser substituídos por bicicleta, considerando como ‘viagens pedaláveis’ aquelas com até 8 quilômetros de distância realizadas entre 6h e 20h por pessoas com até 50 anos de idade.

Desse modo, 31% das viagens de ônibus poderiam ser pedaladas, levando a uma diminuição de 8% do CO2 emitido por este meio de transporte. Considerando-se os deslocamentos realizados de automóvel, até 43% deles poderiam ser realizados de bici­cleta, gerando um potencial de economia de 10% das emissões. Logo, se o potencial ciclável fosse atingido, poderíamos ter uma redução de até 18% da emissão de CO2 originárias dos transportes de pessoas na cidade de São Paulo.

A partir da análise, estima-se que os ciclistas de São Paulo são responsáveis, atualmente, por uma redução de 3% de todo o CO2 emitido com transporte de passageiros na cidade.

 

Saúde

Na perspectiva individual dos impactos na saúde, o estudo compa­rou os perfis de atividade física da popula­ção de São Paulo em geral e de ciclistas, com a hipótese de que o segundo grupo seria mais ativo. A proporção de indivíduos regularmente ativos entre ciclistas é quase três vezes maior que a da população em geral. No que diz respeito à dimensão social, partiu-se da ideia de inatividade física como fator de risco associado a doenças, projetando a potencial economia de recursos no sistema de saúde caso a população de São Paulo adotasse um perfil de atividade física semelhante ao dos ciclistas da cidade.

Concluiu-se, então, por um lado, que o uso da bici­cleta para os deslocamentos cotidianos propicia aos indivíduos uma redução nas chances de adquirir uma série de doenças. Por outro, traz um benefício social de economia no sistema de saúde que beneficia a sociedade.

Os pesquisadores projetam que, caso a população aderisse ao perfil de atividade física dos ciclistas, a redução da chance de ter diabetes ou doenças do aparelho circulatório, em função de um maior nível de atividade física, levaria a uma redução de gastos no Sistema Único de Saúde (SUS) com a internação em virtude dessas doenças. O impacto estimado poderia gerar mais de R$ 34 milhões em economia so­mente na cidade de São Paulo.

 

Economia

Na economia, a pesquisa projeta o potencial aumento do PIB municipal levando em consideração o ga­nho de tempo no deslocamento. Parte-se da premissa de que deslocamentos mais rápidos geram maior produtividade, impactando o PIB. Se o potencial ciclável das viagens realizadas de automóvel e ônibus em SP fosse aproveitado, haveria um acréscimo de aproximadamente R$ 870 mi­lhões no PIB municipal por ano.

Com base nas informações detalhadas de gastos mensais dos indivíduos, o estudo calculou o peso do item transporte na renda mensal pessoal. A partir daí, os pesquisadores estimaram quanto os indiví­duos poderiam economizar caso utilizassem a bicicleta nas viagens pedaláveis em dias úteis. O impacto seria maior nas classes mais baixas, com diminuição de 14 p.p na renda mensal pessoal (R$ 214 de economia, em média).

 

Hábitos da população

A pesquisa mostra ainda que, embora o potencial de impacto do uso da bici­cleta em relação a meio ambiente, economia e saúde seja significativo, metade da população da cidade não demonstra nenhuma disposi­ção de adotá-la como um meio de transporte cotidiano. Por outro lado, 31% da população estaria disposta a usar a bicicleta em seus deslocamentos cotidianos.

As pessoas que responderam que estariam dispostas a aderir ao uso de bicicleta apontaram melhorias na infraestrutura cicloviária (31%) e maior estímulo à atividade física (30%) como principais fatores que as levariam a mudar de hábito.

Já aqueles que responderam ter pouca ou nenhuma disposição para adotar a bicicleta como meio de transporte apontaram como motivos o fato de não gostarem ou terem medo (51%).

Mais de 70% dos ciclistas da cidade passaram a utilizar a bicicleta como meio de transporte há mais de três anos. A principal motivação para começar a pedalar, é o tempo de deslocamento – ou seja, pessoas que consideravam que seu tempo de deslocamento era muito longo da forma como estava sendo feito.

Fonte: Assessoria Itau


Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

6 Comentários deste post

  1. Quem diria, a bicicleta é o veículo do futuro que vai gerar ganhos de quase 1 bilhão na economia da cidade. Nada de carros voadores e cabines de teletransporte, mas apenas ciclistas pedalando felizes pelas ruas paulistanas. :)

    Alex /
  2. Sistema otimo para uso frequente, nao atende uso eventual, o passe vence.

    Alexandre i /
  3. Utilizo a bike como meio de transporte a mais de 20 anos, num tempo que nem se sonhava em ciclovias. E vou dizer: Apesar dos riscos e dos perigos do transito (riscos que existem em qualquer outro meio), não me arrependo e foi a melhor coisa que fiz. Estou sempre em forma, como um monte de coisas que engorda e não engordo, disposição, bom humor e nunca precisei frequentar uma academia sequer.

    Economizo milhares de reais por ano em transporte, pois se fosse de carro, teria o custo de IPVA, Combustivel, estacionamento, estresse, provavelmente estaria gordo e precisaria gastar dinheiro com remédios e academia….

    para lugares mto longe, eu uso a intermodalidade bike x Metrô….

    Renato /
  4. A bike e bonita, mas a realidade e outra.

  5. Acho legal a ideia de que a bicicleta possa ser usada como meio de transporte, eu morto no final da Anhaia Melo e agora com a Ciclofaixa que vai até a estação Vila Prudente, considerei comprar uma e pedalar até lá perder ela no arco de bike (não sei o nome kkk), possivelmente eu faça isso como teste em algum momento, mas convenhamos, quantas pessoas tem condições físicas de pedalar mais de 10Km todo dia?

    Outra coisa, manter a saúde é importante, mas investir em transporte de massa de qualidade e que sejam rápidos também, o estado tem o dever de criar e manter meios de locomoção de qualidade como ônibus, monotrilho, metrô etc…

    A bicicleta é importante para o indivíduo, mas não gosto quando vira política de estado para solucionar problemas de transporte, é quase como se joga-se no colo da população um problema cuja a resolução cabe a administração publica!

    Tiago Gimenes /

Deixe uma resposta para Tiago Gimenes Cancelar resposta