Alstom implementará sistema de sinalização em 5 estações da linha Belgrano Norte em Buenos Aires

A Alstom assinou um contrato no valor de mais de €16 milhões para modificar o sistema de sinalização nas estações Ciudad Universitaria, Aristóbulo del Valle, Munro, Boulogne Sur Mer e Grand Bourg, na linha suburbana Belgrano Norte, em Buenos Aires, Argentina. O trabalho faz parte da renovação de 22 estações da linha, um projeto da Trenes Argentinos Infraestructura, empresa do Ministério Nacional dos Transportes, com um investimento total de aproximadamente €87 milhões.

 

A linha Belgrano Norte é uma das sete linhas de trens suburbanos da Região Metropolitana de Buenos Aires. Atualmente, presta serviço a passageiros entre as estações de Retiro e Villa Rosa (54 km), com 22 estações cruzando as cidades de Buenos Aires, Vicente López, San Isidro, General San Martín, Tigre, Malvinas Argentinas e Pilar. O serviço é feito por trens suburbanos com locomotivas a diesel, e é operado pela Ferrovías desde 1994.

 

A Alstom irá fornecer, instalar, testar e comissionar os intertravamentos a relé, além de máquinas de chave, sinaleiros, postos de controle locais e remotos, circuitos de via e sistema de energia.

 

Celebramos mais este novo contrato da Alstom na Argentina, o que representa o reconhecimento pelo nosso cliente da qualidade de nossos equipamentos. Temos trabalhado em diferentes linhas suburbanas no país e estamos ansiosos por outras oportunidades para continuar oferecendo nossa experiência e tecnologia ao sistema de transporte argentino”, afirma Michel Boccaccio, Vice-Presidente Sênior da Alstom na América Latina.

 

“Essa é a primeira licitação adjudicada à Alstom que gerou um contrato direto com a Trenes Argentinos Infraestructura. Continuamos investindo na Argentina para aprimorar a sinalização e a modernização dos sistemas de transporte do país”, acrescentou Ernesto Garberoglio, Diretor Geral da Alstom Argentina.

 

A Alstom está presente na Argentina desde 1993, fornecendo sistemas de sinalização para o metrô de Buenos Aires, além de manutenção e modernização de linhas de metrô e linhas ferroviárias suburbanas. A Alstom também realiza a manutenção e a modernização de locomotivas e carros para serviços de carga e passageiros.

 

Fonte: Assessoria Alstom


Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

5 Comentários deste post

  1. Depois da merda que fizeram aqui na linha 2, os argentinos deveriam repensar….

    Renato /
    • Repensar o que? O Metrô de São Paulo comprou uma solução pronta de prateleira (CBTC) e exigiu características inexistentes em qualquer lugar do mundo. Logo, era óbvio que a empresa fornecedora da tecnologia iria ter dificuldades para atender as exigências esdrúxulas do metrô paulistano (que paga por um equipamento básico e exige receber o top de linha exclusivo). Engraçado que isso vale para qualquer outra empresa que presta serviços para o metrô. Lá fora funciona, só em São Paulo que tem problemas. Será culpa da fornecedora de tecnologia?

  2. Achei linda a cor.

  3. Parece ser maior que os trens da CPTM, procede?

  4. Essa foto é do metro de Buenos Aires, de bitola 1435mm
    O trecho referido é ferrovia e é conhecido como Linha Belgrano Norte, de bitola métrica e trens a diesel. Operam com carros de passageiros rebocados por locomotivas diesel e que em cada extremo da linha desengatam e manobram para fazer a volta. o sistema de portas é manual e são os passageiros que as abrem ou simplesmente vaiajam abertas
    O site é http://www.ferrovias.com.ar/
    escrevam no google “linea belgrano norte” e vcs verão, são trens vermelhos e bem antigos, porem são rápidos eu mesmo viajei nela duas vezes e os funcionários contam que chega em alguns trechos aos 100km/h, principalmente o trecho ao lado da pista do Aeroparque.

    Rafael de Souza /

Deixe uma resposta