Alckmin autoriza publicação de edital de obras do trecho Conselheiro Nébias–Valongo do VLT

O governador Geraldo Alckmin autorizou nesta segunda-feira, 26 de março, a publicação do edital de obras do trecho Conselheiro Nébias–Valongo do VLT da Baixada Santista. A previsão é que a construção tenha início no segundo semestre deste ano, com investimento de R$ 270 milhões. As obras devem durar 30 meses.

No mesmo evento, Alckmin entregou os dois últimos VLTs contratados (21º e 22º) e três equipamentos de manutenção, além da conclusão da instalação de portas-plataforma nas cinco últimas das 15 estações do trecho Barreiros-Porto onde ainda não havia o equipamento (Itararé, João Ribeiro, Nossa Senhora de Lourdes, Pinheiro Machado e Terminal Porto).

Conselheiro Nébias–Valongo – Com 8 km de extensão, o segundo trecho do VLT terá 14 estações, a partir da estação de transferência Conselheiro Nébias, distribuídas ao longo do centro histórico de Santos, Mercado Municipal e importantes estabelecimentos de ensino superior da Baixada Santista. Serão elas: Xavier Pinheiro, Universidades 1, Mercado, Paquetá, Poupatempo, Mauá, São Bento, Valongo, José Bonifácio, Bittencourt, Campos Sales, Universidades 2, Carvalho de Mendonça e Tamandaré.

Portas-plataforma – A operação das portas-plataforma nas estações Itararé, João Ribeiro, Nossa Senhora de Lourdes, Pinheiro Machado e Terminal Porto completa a instalação do equipamento nas 15 estações do trecho Barreiros-Porto do VLT. O investimento total foi de R$ 40 milhões.

As portas-plataforma protegem a via férrea e têm o funcionamento sincronizado com o movimento de abertura e fechamento das portas do veículo. Possuem várias funções, dependendo do local onde são instaladas, como prevenir queda de usuários na via; reduzir o perigo de arraste ou impacto, especialmente dos trens que passam em alta velocidade; melhorar o controle climático da estação; aumentar a segurança, ao não permitir que entrem nas plataformas pessoas não autorizadas; evitar que os usuários joguem lixo na via.

21º e 22º VLTS – São os últimos VLTs dos 22 contratados. Assim como os demais, possuem 2,65 m de largura por 44 m de comprimento e 3,20 m de altura; capacidade para 400 usuários; velocidade média de 25 km/h (a máxima é de 80 km/h); ar-condicionado e piso 100% baixo, facilitando a movimentação de usuários com dificuldade de locomoção.

Veículos auxiliares à manutenção – Os equipamentos de manutenção entregues nesta segunda-feira são um vagão-plataforma, um veículo auxiliar de via e um veículo auxiliar de manutenção de rede aérea.

O vagão-plataforma será utilizado para o transporte de materiais, peças e equipamentos entre o pátio de estacionamento e manutenção do Porto e a linha do VLT e vice-versa.

O veículo auxiliar de via presta diversos serviços ao longo da via, principalmente para deslocamento rápido de emergência e para sanar algum tipo de ocorrência técnica nos equipamentos, transportando ferramentas, instrumentos e pessoal técnico na cabine. Vai transitar no modo rodoviário, vencendo desníveis e curvas característicos das vias urbanas.

O veículo auxiliar de manutenção de rede aérea executa manutenção, inspeção e medição no sistema de rede aérea, constituído de fio de contato, alimentador e suspensório e de seus acessórios, principalmente, na troca de fio de contato e de seu tensionamento. Transita no modo rodoviário, vencendo desníveis e curvas características das vias urbanas, e no modo rodoferroviário sobre caixas de passagem elétricas, aparelhos de mudança de via (AMV) e contadores de eixos, entre outros, sem danificá-los ou alterar suas características de funcionamento.

Fonte: Assessoria EMTU


Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

3 Comentários deste post

  1. Caio, é possível para você fazer um levantamento de como esta o volume de usuários desta linha do vlt?
    O meu interesse é saber se a expectativa de usuários deste modal esta de acordo com a previsão do projeto.
    Grato
    Sérgio Lacerda
    Campo Grande – MS

    Sérgio Lacerda / Responder
    • Sérgio, posso te fazer uma pergunta?
      É muito difícil saber sobre o VLT de Cuiabá – MT, e como estão as obras, elas foram retomadas?
      Obrigado

      Renato / (em resposta a Sérgio Lacerda) Responder
      • Olá Renato, eu não tenho essa informação.
        Eu moro no Mato Grosso do Sul, em Campo Grande, e não vou a Cuiabá a muitos anos.
        As noticias são desencontradas, mas na minha opinião pessoal foi foi um projeto mal elaborado choro a apenas politicagem do lula que fez de Cuiabá Sede da copa de 2014. Devem ter ganhado muito dinheiro com aquilo.
        Desculpe não ter maiores detalhes para você.
        Saudações pantaneiras.
        Sérgio Lacerda.

        Sérgio Lacerda / (em resposta a Renato) Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*