Governo Federal garante verba para o metrô de 5 capitais

O ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira, garantiu que haverá complementação orçamentária para manter o metrô em funcionamento ao longo de todo o ano em Belo Horizonte e nas outras quatro cidades em que o sistema é operado pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) – Recife, Natal, Maceió e João Pessoa. Ele assegurou que o serviço não será paralisado.

“Houve redução de recursos orçamentários para o metrô durante a tramitação do Projeto de Lei Orçamentária Anual (Ploa) no Congresso Nacional. No entanto, o governo providenciará a complementação orçamentária em tempo. Não haverá qualquer risco de interrupção do serviço”, afirmou, em nota, o ministério. A pasta declarou que o valor da complementação ainda está sendo estimado e não informou quando o Orçamento será recomposto.

Conforme o Ministério das Cidades informou no início desta semana, a intenção é ampliar o Orçamento dos R$ 139,7 milhões aprovados para cerca de R$ 200 milhões. De acordo com a pasta, a limitação orçamentária ocorre devido à necessidade de adequação das despesas do governo à meta de resultado primário e ao limite de gasto advindo do Novo Regime Fiscal.

A garantia da União foi dada após a circulação de um ofício assinado pelo diretor-presidente da CBTU, José Marques de Lima, em 31 de janeiro, sobre os cortes no orçamento destinado à companhia – neste ano, o recurso aprovado para Belo Horizonte totaliza R$ 56 milhões, quase metade dos R$ 103 milhões do ano passado.

Nessa quinta-feira (8), a CBTU afirmou que ainda não foi comunicada oficialmente sobre a garantia do governo de que haverá complementação orçamentária, mas ressaltou que está direcionando todos os esforços para conseguir viabilizar mais recursos e não afetar a operação e a manutenção dos sistemas.

O governador Fernando Pimentel, que disse que iria convidar o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PHS), para ir a Brasília pedir mais dinheiro e impedir a paralisação do metrô, ainda não se reuniu com representantes do governo federal e não recebeu posicionamento sobre a complementação orçamentária, conforme a assessoria de imprensa do governo de Minas.

Fonte: Tudo em Dia


Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

14 Comentários deste post

  1. Governo garante verbas para capitais. Nenhuma em São Paulo. Estado de São Paulo como sempre se virando sozinho

    R / Responder
  2. São Paulo Estado pagador, 500 bilhões anuais não recebe nadica de nada.

    Felix / Responder
  3. E Pra São Paulo nada. Pagamos impostos para os outros estados usufruirem

    Júlio / Responder
  4. Votam errado é isso que dá…xD

    FHC, Lula, Dilma e agora Temer. Tudo farinha do mesmo saco, sugando de SP para manter os outros estados que não conseguem sequer manter um sistema de metrô sozinho sem ajuda federal.

    Como não votei nesses pilantras, estou com a consciência tranquila.

    Marcelo / Responder
  5. Na verdade o GF esta garantindo verbas para a CBTU que é uma empresa federal.

    Por isso: SP, RJ, CE, BA, RS, PI e DF, uf’s cujos sistemas não são operados pela CBTU, não estão entre os comtemplados. Lembrando que essa história começou pelo corte de mais da verba de custeio da CBTU. Um completo absurdo.

    rafael oliveira / Responder
  6. De qq maneira, uma empresa federal de trens é um absurdo.
    Pra quem não sabe, parte da rede da atual CPTM era parte da CBTU e em 1992 o governo paulista tomou uma atitude de responsabilidade e assumiu essa rede aqui em SP.

    Rodrigo Salome / Responder
    • Por que considera um absurdo o Governo Federal manter uma linha de transporte público em um membro da Federação?

      O.Juliano / (em resposta a Rodrigo Salome) Responder
      • Essa não é função do Governo Federal, simples assim.Esse é o motivo de manter sobre administração de Brasilia, dificuldade de controle, cada unidade da Federação deve saber o que é melhor e está mais proximo do usuário para atende-lo.Em compras de peças, manutenção é um parto da montanha conseguir fazer uma licitação e liberação de verbas.

        Felix / (em resposta a O.Juliano) Responder
        • Não seria válido então o Governo Federal e o Governo Estadual pactuarem um acordo de concessão à iniciativa privada? Sendo assim nenhum dos dois sairiam perdendo e poderia ficar posteriormente sob controle estadual. A questão é que não é tão simples criar empresas e processos e de repente dizer “se está reclamando de dinheiro que pegue este filho pra criar por conta própria”. Se o estado tem capacidade de absorver, ótimo, como foi o caso de SP e outras cidades que fizeram e fazem metrô por conta própria, seja municipal ou estadual, porém se os poderes locais não têm condições, o povo ainda está dentro de um Governo Federal e ele não só pode como tem o dever de suprir seu povo com transporte público da forma que for possível, até mesmo ele criando linhas de trem pelo Brasil. Entende?

          O povo não pode sofrer na guerra de política, ele tem que ser suprido seja por seu prefeito regional (quando há), prefeito municipal, governador estadual ou presidente. O que importa é ter, uma vez que pagamos valores a todos seus responsáveis.

          O.Juliano / (em resposta a Felix) Responder
          • A CBTU é um mastodonte mal administrado, está longe da realidade.Veja o caso de Porto Alegre.As Gestões deveriam ficar com os Estados e verbas do Minstetio dos Transportes já direcionada nos orçamentos anuais para cada Estado, os Estados definiriam o Tipo de Gestão PPP, Estadual ou Concessão por determinado período. Acho que os membros da Federação por menor que seja tem que ter mais autonomia, assim também com os Municípios.A Gestão quanto mais próximo do povo é melhor para o contribuinte . Brasília está cada vez mais cara para os brasileiro, muita gente aboletada no castelo ganhando muito e produzindo pouco ou nada para o brasileiro.Por quê tem que centralizar tudo em Brasília se os problemas estão longe?

            Felix / (em resposta a O.Juliano)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*