VLT do Rio é aprovado por 92% dos usuários, diz Datafolha

Pesquisa do Instituto Datafolha aponta que 92% dos usuários do VLT Carioca avaliam o sistema de forma positiva (bom ou muito bom). Sete em cada dez passageiros recomendariam o VLT como uma forma eficiente de deslocamento. A avaliação supera a do ano passado, que apontava 88% de satisfação. Feita com 989 pessoas durante a operação das linhas 1 e 2, tanto nas paradas quanto nos veículos, a análise tem margem de erro de 3 pontos percentuais e índice de confiança de 95%.

“Encerramos o ano de 2017 com uma nova linha, mais paradas em operação e um usuário mais satisfeito, sem abrir mão de valores como segurança e eficiência. O resultado só nos motiva a continuar trabalhando e contribuindo por um Centro do Rio mais sustentável e conectado”, avalia o presidente da Concessionária do VLT Carioca, Rodrigo Tostes.
A rapidez foi apontada como o aspecto de maior importância (62%) para quem usa o VLT. E foi também um dos quesitos que mais evoluiu em relação ao último ano. Considerada boa ou muito boa por 81% dos entrevistados, o índice era de 56% em 2016. Conforto (93%) e segurança operacional (87%) foram outros aspectos avaliados acima da média. A confiabilidade, que analisa quesitos como tempo de espera e quantidade de paradas não programadas, subiu de 46% para 85%.
O Datafolha mostra que quase metade dos usuários (45%) utiliza o VLT com alta frequência (entre quatro e sete vezes por semana), sendo que mais de 50% andam no sistema pelo menos duas vezes por dia. O deslocamento para o trabalho (68%) é a principal razão de uso do modal. Para a maior parte dos entrevistados (72%) a viagem de VLT dura entre 5 e 20 minutos, com tempo médio de 13 minutos.
“Os dados mostram que o VLT está inserido na rotina da cidade e já se tornou um transporte relevante para agilizar deslocamentos. E apesar de ter também sua função turística, com toda a área histórica, museus e aquário, possui um peso importante no dia a dia de quem trabalha na região central da cidade”, complementa Tostes.
Fonte: Assessoria Porto Maravilha

Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

9 Comentários deste post

  1. Mais uma linha privada com alt9 índice de aprovação, duro golpe nos transportes estatais.

    Danillo / Responder
    • A concessão é privada, mas o proprietário é a prefeitura do Rio.

      Gapre / (em resposta a Danillo) Responder
      • O mais importante é que a gestão não é a inércia e cheia de vícios publico, prova que o contrato do VLT Carioca foi bem feito, como o da linha 4 amarela e Metrô de Salvador….

        Renato / (em resposta a Gapre) Responder
        • É, mas não se esqueça que o metrô Rio e a Supervia são concessões privadas e funcionam bem pior do que o metrô estatal de SP

          Gapre / (em resposta a Renato) Responder
          • É que o Metrô de São Paulo segue uma linha de boa Gestão do Governo de São Paulo. O VLT de Santos também tem hoa avaliação, ontem estive com familiares que moram em Santos que me confirmaram.Não importa se a Gestão é privada ou pública o que importa como é gerida.Nos EUA, Alemanha, Noruega, França e em outros paises desenvolvidos há inumeras Estatais bem administradas que trazem bons lucros para serem aplicados pelos Governos, não pode ter ingerência Politica/Sindical para que uma Estatal tenha boa Gestão.

            Felix / (em resposta a Gapre)
          • A boa gestão do metrô de SP é APESAR do governo, Felix. Pelo governo, todas as linhas do metrô e CPTM já estariam nas mãos privadas, só que nenhuma empresa privada quer segurar essa bucha.

            Gapre / (em resposta a Gapre)
        • Não diria que o contrato da Linha 4 foi bem feito – se está falando da Linha 4 de SP. Pois o Governo está sempre pagando a Linha 4 com prioridade entre o próprio Metrô e a CPTM além de multas pelos atrasos nas entregas de estações. Agora sobre a operação que a CCR faz com a Linha 4 em SP, esta sim é de elogios pois mesmo que seja um trecho pequeno, sempre atendeu bem com algumas exceções como desalinhamento em alguns eventos em que o Metrô operou até mais tarde e ela não e pelo seu quadro de funcionários não pertencerem ao mesmo sindicato dos demais metroviários de SP o que os deixa com força menor de união.

          O.Juliano / (em resposta a Renato) Responder
          • Sindicatos são um símbolo do nosso atraso. São corporativistas, pelegos e trabalham contra a modernidade. É graças a essas estruturas arcaicas de relações de trabalho que ainda vivemos na era da cobrança manual de pedágios. Neste caso, os sindicatos agem em conluio com a empresa Sem Parar que também nhão deseja a implantação da cobrança eletrônica da taxa.

            Celso P / (em resposta a O.Juliano)
  2. Já em São Paulo, nenhum sinal de VLT. São Paulo está ficando para trás.

    Celso P / Responder

Deixe uma resposta para O.Juliano Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*