CPTM recebe 31º e 32º novos trens nesta quarta, 24

Nesta quarta-feira, 24/01, a CPTM recebeu mais dois trens novos do lote de 65, completando 32 unidades em operação. A partir das 10h, uma composição da série 9.500, da Hyundai, começou a operar na Linha 7-Rubi (Luz-Jundiaí), e a outra, da série 8.500, da CAF Brasil, no serviço Expresso Leste (Luz-Guaianases) da Linha 11-Coral.

Com mais essa entrega, a CPTM dá continuidade ao processo de padronização da frota de todas as linhas, readequando as séries de trens de acordo com a necessidade operacional. O objetivo é oferecer trens modernos e com ar condicionado, proporcionando mais conforto aos usuários. A previsão é que as 33 unidades restantes entrem em operação até o final de 2018.

A Linha 7-Rubi é a maior da CPTM, com 60,5 quilômetros de extensão, terá agora 19 novos trens. Em média, são transportados 425 mil usuários por dia útil. Com cerca de 700 mil passageiros transportados/dia útil, a Linha 11-Coral é a mais movimentada do sistema. O trecho com maior movimento é o do serviço Expresso Leste, com 24,2 km. O serviço opera de Luz a Guaianases, transportando em média 500 mil usuários/dia útil e terá agora 13 novos trens. De Guaianases a Estudantes, são 26,6 km, e cerca de 200 mil passageiros transportados/dia útil.

Com salão contínuo de passageiros (passagem livre entre os carros), os trens possuem monitoramento com câmeras na parte externa e interna e são acessíveis para pessoas com mobilidade reduzida ou deficiência (contam com sinalização visual para identificação de assentos preferenciais, mapa dinâmico e áudio, além de espaço para cadeirantes). Também dispõem de monitores digitais internos com informações e interação das principais notícias sobre a prestação de serviços, além de reconhecimento eletrônico automático do maquinista por meio de biometria.

Os demais trens serão entregues ao longo dos próximos meses e entrarão em operação, após a realização de testes que são feitos nos sistemas elétricos, mecânicos e de sinalização. Dependendo das necessidades de ajustes que surgirem e do tempo de solução por parte do fabricante, os testes podem ser prolongados. As novas composições serão incorporadas para a renovação da frota de acordo com a necessidade operacional de cada linha.

 

Fonte: CPTM

 


Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.