Audiência pública debateu expansão da Linha 5 até Jardim Ângela

A Assembleia Legislativa de São Paulo promoveu no dia 30/11, encontro para discutir a viabilidade financeira e orçamentária para a extensão da Linha 5-Lilás do Metrô até a extremidade da região sul da capital paulista.

A Linha foi inaugurada em 2002, com o trecho entre as estações Capão Redondo e Largo Treze, na zona sul. Atualmente, a linha está em expansão até a futura estação Chácara Klabin, quando passará a ter 17 estações e 20 quilômetros de extensão. Na audiência pública o debate abordou possibilidades para que a linha alcance o extremo da zona sul pra chegar a bairros como o Jardim Ângela, Jardim Capela e o Hospital M´boi Mirim.

O deputado Enio Tatto (PT) idealizou o encontro. Ele destacou a importância de a linha ser expandida para regiões mais distantes. “Mais de 1 milhão de trabalhadores dependem dessa linha de transporte sobre trilhos, já que a região é muito carente e tem dificuldades no transporte coletivo. Fiquei muito contente em promover essa discussão sobre a linha 5 até a região fundão da zona sul da capital”, afirmou.

Os moradores que estiveram presentes no encontro cobraram prazo para as obras de expansão. “Precisamos fazer o Metrô chegar até a gente. E hoje, a audiência possibilita que as nossas necessidades sejam ouvidas”, afirmou Luiz Claudio, morador do Jardim Ângela. Ele afirmou haver cerca de 700 mil habitantes na região que utiliza os ônibus da região todos os dias.

O assistente da diretoria de Planejamento e Expansão dos Transportes Metropolitanos, Epaminondas Duarte Junior, afirmou que o projeto básico pata a expansão está pronto.

“Queremos o metrô. Nós sabemos o quanto é bom porque é rápido, não precisa pegar farol. Esse é o momento para discutir, já que estamos fechando o orçamento de 2018. Dos R$ 200 bilhões de reais arrecadados, quanto será aplicado para o Jardim Ângela?”, questionou o deputado José Zico Prado (PT).

Também estiveram presentes os deputados Marcos Martins, Alencar Santana e Geraldo Cruz (todos do PT), Milton Leite Filho (DEM), Davi Zaia (PPS), além de autoridades e representantes de movimentos sociais da zona sul da Capital.

Fonte: Assessoria Assembleia Legislativa de São Paulo


Autor: Caio Lobo

Ler todos os posts

Paulistano e Corinthiano, formado em Marketing porém dedicou sua experiência profissional, pós-graduação e MBA na área de Finanças. Temas relacionados à mobilidade urbana o fascinam, principalmente quando se fala de metrô.

24 Comentários deste post

  1. Uma linha que deveria ser expandida de qualquer forma é a micro-linha amarela, poderia até ser uma pequena expansão até o Pari, o “X” da questão é que o ponto final na Luz superlota ainda mais a superlotada estação, creio que o ponto final no Pari desafogaria um pouco a mesma.

    Felipe /
    • Acho que a Linha 4 chega ao Pari (que virou importante polo de compras) junto com a Linha 19 Campo Belo – Guarulhos que deverá ser uma das próximas a sair do papel.

      • Dúvido muito essa Linha 19 sair um dia do papel, acho que poderiam fazer essa expansão o mais rápido possível até por que o trecho entre Luz e Pari não é muito longo. Cabe a nós, população, reivindicar isso

    • Eu iria mais além uma ponta da linha amarela iria para a Vila Maria
      Aí a outra ponta Seria um ramal para term campo limpo e outro seria uma extensão da linha passando pelo município do Taboão da serra

  2. Que lugar de SP (e do país) não tá carente de metrô? Só em SP, a região do Jardim Miriam, Pedreira e Cidade Ademar também é sempre esquecida (cadê a expansão da linha 17 até Diadema que ninguém fala mais????), fora tantas outras na capital paulista e nas outras capitais brasileiras. Isso infelizmente não é só carência do Jardim Ângela não.

    Gapre /
  3. Vários e vários anos de atrasos, superfaturamentos e promessas, e agora realmente todo mundo está precisando, mas a região do ABC tá abandonada. Os trens da linha 10 da CPMT tem quase 40 anos, as estações são centenárias, só receberam maquiagens (sem acessibilidade, algumas tem plataforma de madeira), quero ver uma obra dessa chegar no fundão do ABC: linha 17 até Diadema [nada], linha 18 até SBC [nada], arco Sul ligando Guapituba em Mauá até Ferrazopolis em SBC ou Pirelli em Santo André a Djalma Dutra em SBC [nada]

    Anderson /
  4. E O Próximo Passo Vai Ser a Linha 5 Lilás do Metrô Com Operação Térrea Ligar do M’Boi Mirim Até o Bairro Mairiporanense do Juquery

    Michell /
  5. Acredito que é mais prioritário a Linha Amarela ir até Taboão da Serra.

    Felix /
    • Eu moro em Taboão da Serra, então gostaria mesmo. Mas conheço a região do Jardim Ângela, o pessoal lá precisa bem mais, é bem mais limitado. Mas não precisa escolher né, o ideal é expandir as duas.

  6. Se os deputados estaduais estão tão interessados nessa obra, pq eles não colocaram ela no orçamento estadual?……….. Simples, pq eles só querem que as pessoas humildes, que acham que todo se resolve no estalar de dedos, pense que eles (os políticos) estão fazendo algo pela população do subúrbio.

    Yago /
  7. O Governo de São Paulo tinha prometido que o metrô chegaria a 202 km até 2020,mas pelo jeito até essa data,vai ficar nos 100 km mesmo,é muito atraso nas obras e burocracia para tudo nesse País.

    Edson /
  8. Não há demanda para metrô no Jardim Ângela. Esse projeto é média dps políticos com a população. A família Tatto impediu a chegada do monotrilho no Jardim Ângela, agora fica com conversa fiada sobre esse projeto eleitoreiro.

    Ivo Suares /
  9. Acho melhor fazer uma linha de metrô pela mboi mirim
    Se levarmos a linha 5 pro term Jd Ângela corremos o risco de criar uma linha vermelha 2.0

    Fabiano /
  10. O tempo todo a região esteve carente de metrô. Se aproveitaram de estudos técnicos que não são novos, pra só agr em ano de eleição, fazer audiência pública. Estranho, não? Kkk

    R /
  11. Debater e uma coisa, expandir e outra.

Deixe uma resposta