Novas concessões de rodovias em SP terão Wi-Fi e pedágio flexível

Foto: A2img / Eduardo Saraiva

O Governo do Estado de São Paulo quer um novo modelo de concessões para as rodovias. Esta semana, o governador Geraldo Alckmin assinou decreto que abre caminho para as mudanças defendidas, entre elas a cobrança de tarifas diferentes, dependendo do horário ou fluxo de veículos.

As rodovias que cortam o estado estão entre as melhores do Brasil, porém é comum ter queixas dos usuários no que diz respeito ao preço praticado nas praças de pedágio.

O Governo Estadual espera que com este modelo, poderá ter redução de até 19%, em média, nos valores. Haverá ainda desconto de 5% nas tarifas para quem utilizar o modo eletrônico de pagamento. Outra mudança é a implantação de redes de internet Wi-Fi para comunicação online com o motorista, ao longo de todo o percurso.

O lote de rodovias do Centro Oeste Paulista, entre as cidades de Florínea e Igarapava, deve ser contemplado com o primeiro edital no novo formato, que foi publicado no Diário Oficial do Estado no sábado (5).

A gestão estadual promete incluir no pacote 570 quilômetros de rodovias nas regiões administrativas de Araraquara, Barretos, Bauru, Franca, Marília e Ribeirão Preto. A concorrência será internacional, e os critério de julgamento da licitação será o de maior valor de outorga fixa.


Autor: Renato Lobo

Ler todos os posts

Paulistano, Técnico em Transportes, Ciclista, apaixonado pelo tema da Mobilidade, é o criador do Portal Via Trolebus.

9 Comentários deste post

  1. Desde a implantação da Nova Dutra em 1995 o sistema de concessões de rodovias vem evoluindo para melhor e muitos luagares, exceto naqueles modelos que o PT enfiou a colher e fez gambiarra.

    No caso de SP, a primeira concessão foi o Sistema Anchieta-Imigrantes (SAI) em 1998 que era operada pela DERSA, uma autarquia paulista de capital misto.

    Viajar nas rodovias públicas paulistas é caro mesmo, e nada mais oportuno do que discurtir e implantar um modelo flexível de pedágio e descontos nos sistemas automatizados. Mas isso não é só vontade política.

    Chegou-se a esse modelo em cima de resultados concretos: redução de acidentes e sinistros estruturais, já que a manutenção preventiva favorece a estrutura e a segurança do usuário; redução do número de roubos e furtos nas rodovias concedidas e monitoradas por sistemas high-end; menor custo km/l nos trechos de pista de alta qualidade e menor desgaste de pneus e outros mecanismos, mesmo nas vicinais concedidas, onde há a 3a faixa em subidas de gradiente oblíquo; menor tempo de deslocamento, e maior agilidade em entroncamentos, além, claro da melhor sinalização favorecer ao usuário. Tudo isso se reflete no custo de seguros veiculares, seguros de fretes, seguros de infraestrutura e volumes chamados de SAUs.

    Diferente do modelo do DNIT, o DER-SP comoartilha o custo da implantação dos sistemas de monitoramento eletrônico ficando o monitoramento ostensivo por conta da Polícia Militar Rodoviária de SP, bem como a aferição e operação de radares e, ficando ao cargo dos concessionários o monitoramento operacional das vias. Dessa forma, não ocorre o que aconteceu com o DNIT que foi obrigado a desligar radares e sistemas de monitoramento por falta de pagamento.

    Hubner / Responder
  2. As concessões de rodovias adotada pelo Governo de SP tem se mostrado as mais eficientes. Tanto que das 20 melhores estradas do país, 19 são paulistas. O modelo apresentado pelo governador Geraldo Alckmin é um avanço do modelo atual. A boa qualidade das estradas diminui o tempo de viagem, gasta menos combustível e desgaste dos veículos. Com isso, o frete fica mais barato. E o mais importante é que as estradas mais seguras têm menos acidentes, portanto, menos mortes. E isso não tem preço.

    Welbi Maia Brito / Responder
  3. Ate concordo da pavimentação ser boa, agora iluminação de noite que e bom nada, igual a imigrantes, fora do túnel escuro total, piada.

    Rodrigo Santos / Responder
  4. Isso ai vamos incentivar todo mundo a usar o celular com wi-fi e se matar causando acidentes !!
    Wi-Fi, que absurdo !! E gratuito o c****** imagina quanto a concessionária vai gastar e claro repassar este custo para colocar antenas em 500km de rodovia !

    fabio / Responder
  5. E ninguém fala nada das cobranças por trecho…

    Marcos Antonio / Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*